Tempo
|
A+ / A-

Sindicato refere 75% de greve nos hospitais dos Açores, governo fala em 24%

01 jul, 2022 - 21:05 • Lusa

A paralisação, convocada pela FNSTFPS a 7 de junho, foi motivada por reivindicações antigas que, segundo a estrutura sindical, continuam sem resposta.

A+ / A-

O governo açoriano referiu hoje que a greve de hoje na saúde "não foi além dos 24%" na região, enquanto o SINTAP enalteceu a "forte adesão" que chegou aos 75% nos hospitais e 45% nas unidades do arquipélago.

Num comunicado disponibilizado no portal do executivo, a secretaria regional da Saúde e Desporto advoga que os "diversos serviços não foram afetados na sua atividade", realçando que os "índices de adesão à greve" foram "significativamente inferiores aos nacionais".

Segundo o secretário Clélio Meneses, a "baixa adesão" deve-se à "forma distinta como o governo da região tem tratado os profissionais do setor da saúde, com os processos das respetivas valorizações remuneratórias em curso".

Por outro lado, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicas (SINTAP) realçou a "forte adesão" da greve nos Açores.

"A greve contou com uma elevada participação e adesão, 75% nos Hospitais da Região e 45% nas Unidades de Saúde e serviços dependentes da secretaria regional da Saúde e Desporto", afirmou aquele sindicato numa nota de imprensa enviada às redações.

A adesão à greve de hoje dos trabalhadores do setor público da saúde rondava, até às 12:00, os 90%, segundo fonte sindical, acrescentando que em alguns a adesão foi total em toda a atividade programada.

A paralisação, convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) em 07 de junho, foi motivada por reivindicações antigas que, segundo a estrutura sindical, continuam sem resposta.

Na altura, a FNSTFPS falou em problemas que afetam auxiliares de ação médica, técnicos superiores de saúde e técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, e que acentuam a instabilidade nos serviços de saúde e prejudicam o Serviço Nacional de Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+