32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Covid-19

Especialista traça três cenários. Redução da efetividade das vacinas pode colocar Portugal no vermelho

16 set, 2021 - 15:54 • Redação

Baltazar Nunes, do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, traça três cenários para os meses de dezembro e janeiro, que coincidem com o Natal e Ano Novo.

A+ / A-

Veja também:


A possível redução da efetividade das vacinas contra a Covid-19 poderá colocar o país novamente acima das linhas vermelhas em dezembro e janeiro, altura das festividades do Natal e Ano Novo.

O cenário é lançado por Baltazar Nunes, do Instituto Dr. Ricardo Jorge, na reunião com os responsáveis políticos na sede do Infarmed.

O especialista cita um estudo inglês sugere "a redução da efetividade da vacina contra a infeção sintomática para 40% a 60% após quatro a cinco meses do esquema completo", uma redução que é "ainda mais acentuada na população idosa e com comorbilidades".

O especialista ressalva, no entanto, que o estudo está ainda em "revisão de pares e com informação em evolução".

Três cenários em cima da mesa

Com base nestes estudos, o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge traçou ainda três cenários para o Outono e Inverno.

O cenário 1 contempla que a proteção vacinal continua elevada durante a altura das festividades, como o Natal e Ano Novo, e que, por isso, não haverá uma grande perturbação nos serviços de saúde e isso não se traduzirá num aumento descontrolado de óbitos, internados e internados em cuidados intensivos (UCI)

Já os cenários 2 e 3 sugerem uma perda acentuada da efetividade vacinal e que poderá "dar problemas na altura de dezembro e janeiro", com a ocupação em UCI e os óbitos acima das linhas vermelhas a partir da primeira quinzena de janeiro, no cenário 3, ou segunda quinzena de janeiro, no cenário um.

Baltazar Nunes reforça que são "cenários de simulação com base em pressupostos que não estão verificados, não são previsões".

Apesar da possibilidade de redução da efetividade das vacinas, Baltazar Nunes é claro: "A cobertura vacinal tem uma relação direta com a reprodução efetiva do vírus". O especialista mostrou na reunião um gráfico que mostra que "os países com maior cobertura vacinal, têm o Rt inferior a 1, enquanto que os países com menor vacinação têm o Rt superior a 1".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao Ferreia
    16 set, 2021 Coimbra 15:24
    como é que chegam a esta conclusão, se não foram feitas colheitas às mesmas pessoas logo após a toma da 2ª dose, o que devia ter sido feito em março? como com uma colheita, em agosto, podem concluir isso?

Destaques V+