Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

PSP e GNR aproveitam Volta para mostrar descontentamento com "esmola" do Governo

15 ago, 2021 - 19:17 • Lusa

Profissionais da PSP e da GNR aproveitaram hoje a última etapa da Volta a Portugal em Bicicleta para mostrar o seu descontentamento relativamente ao valor fixado pelo Governo para o suplemento de risco, que consideram "uma esmola".

A+ / A-

Profissionais da PSP e da GNR aproveitaram hoje a última etapa da Volta a Portugal em Bicicleta para mostrar o seu descontentamento relativamente ao valor fixado pelo Governo para o suplemento de risco, que consideram "uma esmola".

"Este valor é uma esmola. Sessenta e oito euros representa o risco de vida de alguém? Não. Sessenta e oito euros não chega, é muito pouco", afirmou aos jornalistas o coordenador da região Centro da Associação dos Profissionais da Guarda (APG-GNR), Rui Sousa.

O dirigente falava na cidade de Viseu, à entrada de um túnel integrado no percurso da Volta, onde foram colocadas faixas com as inscrições "Portugal é um país seguro. Obrigado, mas...", "Somos alvos em movimento" e "MAI. Nada?".

Rui Sousa lembrou que os elementos da PSP e da GNR estão empenhados em eventos de grande e de pequena envergadura, de que é exemplo a Volta a Portugal em Bicicleta, que está a mobilizar 120 profissionais só no "percurso pequenino" de hoje, em Viseu.

"Somos o primeiro órgão de polícia criminal a chegar aos locais do crime, ao indivíduo que está a agredir a mulher, ao tiroteio. A todas as situações de elevada perigosidade, somos os primeiros a chegar. Não chegamos lá quando aquilo já está sossegado", frisou.

Por chegarem ao locais quando tudo ainda está "a ferver e num momento de perigo", esses profissionais consideram que "não são 68,96 euros que cobrem esse risco".

"Não nos dão a volta", "68 euros não é a meta", "A nossa re-volta" eram frases que podiam ler-se em cartazes que os presentes tinham nas mãos.

O dirigente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) Cristiano Correia afirmou aos jornalistas que, "apesar de as reuniões, de uma forma formal, terem terminado, há ainda uma janela importante de oportunidade" para que os grupos parlamentares, "em sede de discussão do Orçamento de Estado", possam melhorar este valor.

"Este valor não é suficiente para aquele que é o risco que todos nós corremos, quer seja a organizar um evento desportivo destes, quer seja numa qualquer outra ocorrência do dia a dia ou noutro tipo de ações mais complexas que a polícia possa intervir", sublinhou.

Rui Sousa explicou que os profissionais não aceitam nem os 68,96 euros, nem que "o Governo queira alterar um subsídio que já existe - o suplemento das forças de segurança - e queira lá acrescentar algum valor e chamar àquilo subsídio de risco". .

"Aceitamos um valor que seja justo, que seja negociado, e a APG e a ASPP apresentaram uma proposta muito boa para que isso fosse negociado. Não foi aceite, restam-nos os grupos parlamentares", realçou, garantido que irão estar a protestar em inaugurações que habitualmente se realizam em época eleitoral "para lembrar o poder político" das suas pretensões.
Em causa, está o suplemento de risco, cujo valor foi fixado pelo Governo em 68,96 euros, abaixo da proposta do setor. .
Os profissionais da PSP e GNR propuseram um máximo que ronda os 400 euros, atingido de forma progressiva, nomeadamente, 200 euros no primeiro ano de subsídio, 300 euros no segundo e, posteriormente, os quase 400 euros.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+