Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19. PSP e GNR registaram mais de mil contraordenações em julho

13 ago, 2021 - 19:53 • Lusa

As infrações mais frequentes foram o incumprimento das regras de venda de bebidas alcoólicas em áreas de serviço e estabelecimentos comerciais e o seu consumo na via pública.

A+ / A-

Veja também:


A PSP e a GNR registaram 1.003 contraordenações durante o mês de julho, devido ao incumprimento das regras impostas no âmbito da situação de calamidade, a maioria relacionada com uso de máscara, limitações de circulação, consumo e venda de álcool.

De acordo com os dados enviados hoje pelo Ministério da Administração Interna (MAI) à agência Lusa, as duas forças de segurança registaram 1.003 autos pelo incumprimento de 17 regras da situação de calamidade, impostas devido à pandemia da Covid-19.

As infrações mais frequentes foram o incumprimento das regras de venda de bebidas alcoólicas em áreas de serviço e estabelecimentos comerciais e o seu consumo na via pública, um total de 248 autos.

Segue-se o incumprimento do uso de máscara, com 230 contraordenações registas (174 das quais pela falta de uso de máscara em espaços públicos) e o incumprimento de regras de circulação (102 autos devido ao dever geral de recolhimento e 79 pela circulação entre concelhos).

O incumprimento de horários de funcionamento (112), da realização de celebrações e eventos (76), das regras de funcionamento dos restaurantes (42), do fecho de estabelecimentos (36) e da suspensão de atividades (21) e são outras das infrações identificadas.

Desde o início do ano, a PSP e a GNR registaram cerca de 46 mil contraordenações, das quais 61% pelo incumprimento do dever geral de recolhimento domiciliário.

Portugal está desde o dia 1 de maio em situação de calamidade, que foi prolongada até ao final de agosto devido à pandemia da Covid-19.

A situação de calamidade, nível de resposta a situações de catástrofe mais alto previsto na Lei de Base da Proteção Civil, entrou em vigor a 1 de maio e tem sido renovada quinzenalmente.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    13 ago, 2021 évora 22:32
    O Estados de Emergência vieram intensificar o que antes era óbvio , estas autoridades são uns abutres para os civis , vejamos o recente relato do "Expresso" , estão no TOP com as forças de segurança em Portugal a darem porrada nos civis por tudo e por nada . A culpa é da suspensão da Democracia , estamos agora no regime da PIDE/DGS ( Direção Geral de Saúde ex- Direção Geral Segurança ) .

Destaques V+