Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Berardo ouvido esta tarde pelo pelo juiz Carlos Alexandre após noite na prisão

29 jun, 2021 - 16:05 • Redação

A investigação, com cinco anos, tem indícios de que o grupo económico liderado pelo empresário lesou três bancos - Caixa Geral de Depósitos, Novo Banco e BCP -​ em cerca de mil milhões de euros.

A+ / A-

O empresário Joe Berardo, que foi detido esta terça-feira, vai passar a noite numa cela da Polícia Judiciária (PJ), confirmou a Renascença junto de fonte ligado ao processo.

O madeirense já se encontra nas instalações da Polícia Judiciária, em Lisboa, mas só será interrogado na quarta-feira pelo juiz de instrução criminal Carlos Alexandre.

Além de Joe Berardo, também foi detido André Luiz Gomes, um dos seus advogados.

A investigação, com cinco anos, tem indícios de que o grupo económico liderado pelo empresário lesou três bancos - Caixa Geral de Depósitos, Novo Banco e BCP - em cerca de mil milhões de euros.


Joe Berardo é suspeito da prática dos crimes de administração danosa, burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

De acordo com o site do Ministério Público, foram realizadas 51 buscas em vários locais do país, nomeadamente, Lisboa, Funchal e Sesimbra.

Segundo o comunicado do MP, “investigam-se matérias relacionadas com financiamentos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos e outros factos conexos, suscetíveis de configurar, no seu conjunto e entre outros, a prática de crimes de administração danosa, burla qualificada, fraude fiscal qualificada, branqueamento e, eventualmente, crimes cometidos no exercício de funções públicas.”

“A investigação iniciada em 2016, identificou procedimentos internos em processos de concessão, reestruturação, acompanhamento e recuperação de crédito, contrários às boas práticas bancárias e que podem configurar a prática de crime”, adianta a Polícia Judiciária.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • AL
    30 jun, 2021 F.FOZ 15:04
    ao zé ninguem por divida de tostões, os bancos ja lhe tinham tirado a casa
  • J M
    30 jun, 2021 Seixal 13:59
    Entreguem o caso ao juiz Ivo Rosa, o democrata do Ministério Público, que ele, o Joe, para além de não dever nada à banca ainda irá receber uma condecoração do Presidente da República, pelos bons serviços prestados à cultura, por ceder as obras de arte expostas no CCB.
  • Filipe
    29 jun, 2021 évora 19:22
    Tinham de arranjar maneira depois da derrota da Seleção Nacional a parar o ataque da proteção de dados da CMLisboa . O mesmo protagonista , o alegado Super Juiz braço armado do fascismo do Ministério Público a fazerem a pesca do arrasto . Já só falta ouvirmos depois os interrogatórios na CMTV ... já dizia o outro : Há! Há! Há! .
  • João
    29 jun, 2021 Viseu 18:34
    Agostinho de Hipona (354-430):«Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões». Schopenhauer (1788-1860): «A riqueza e o poder, são como a água do mar, quanto mais se bebe, mais sede se tem».

Destaques V+