32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Proteção de dados. Mais de metade das autarquias viola a lei

22 jun, 2021 - 08:30 • Olímpia Mairos

Só 43% das autarquias do país comunicaram à Comissão Nacional de Proteção de Dados a identidade do seu encarregado de proteção de dados.

A+ / A-

Desde 2018 que os municípios têm que nomear um responsável para garantir o cumprimento da lei e comunicar o nome desse responsável à Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), mas na prática, isso não está a acontecer.

De acordo com o Jornal de Notícias (JN), das mais de 300 câmaras do país, apenas 131 comunicaram à comissão a identidade do encarregado de proteção de dados.

Nas restantes, o cargo está ocupado, mas não foi comunicado à CNPD. Há também autarquias onde o processo ainda está em curso.

O incumprimento da lei implica multas de milhões de euros que nunca foram aplicadas pelo órgão fiscalizador.

“A CNPD não adotou até agora nenhuma medida corretiva relacionada com a falta de notificação do EPD”, adiantou fonte oficial do regulador ao JN.

O valor das coimas para as PME, vai de mil euros a um milhão de euros, já nas grandes empresas, a multa vai de 2.500 euros a dez milhões. Quer num quer noutro caso, pode também ser cobrado 2% do volume de negócios anual mundial, se for mais elevado. Nas singulares, o intervalo situa-se entre os 500 e os 250 mil euros.

O tema da proteção de dados nas autarquias ganhou destaque depois do polémico caso que envolveu a autarquia de Lisboa que terá fornecido os dados pessoas de três pessoas à embaixada russa de Lisboa e ao Governo russo.

O presidente Fernando Medina reconheceu que a autarquia enviou os dados pessoais relativos a 52 manifestações na cidade, incluindo o protesto junto à embaixada da Rússia. E exonerou o encarregado da proteção de dados da Câmara de Lisboa, Luís Feliciano.

A Associação dos Profissionais de Proteção e de Segurança de Dados (APDPO) defendeu, esta segunda-feira, que a exoneração do encarregado da proteção de dados da Câmara de Lisboa é ilegal e anunciou que apresentará queixa se a situação se materializar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+