Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Trabalhar com privados "não é 'lá vai cheque'", diz ministra Temido

19 mai, 2021 - 12:47 • Redação

A ministra da Saúde salientou que é preciso trabalhar além do que está escrito no contrato para melhorar o serviço aos doentes, em vez de fazer o mínimo possível.

A+ / A-

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse esta quarta-feira que trabalhar com os privados não pode ser simplesmente um "lá vai cheque", sendo preciso fazer mais pelos utentes. A ministra respondia à deputada do CDS Ana Rita Bessa, numa audição da Comissão Parlamentar da Saúde.

Ana Rita Bessa disse que há filas longas desnecessariamente para cuidados urgentes de saúde e pediu um maior aproveitamento da capacidade dos privados.

"Para fazer a recuperação da atividade assistencial, não me parece má ideia que a senhora ministra use tudo aquilo que tem ao seu dispor, contratualizando - mas seriamente, que não é com alçapões - mas não é para encher os bolsos dos privados, é porque há pessoas que estão à espera", afirmou a deputada do CDS.

Bessa prometeu que não se cansaria "de dizer isto enquanto houverem pessoas à espera, a chegarem metastisadas aos hospitais, sem necessidade".

A esta pergunta, feita durante a audição desta manhã, Marta Temido respondeu destacando as diferenças entre quem apenas cumpre um contrato, e quem vai para alem disso.

"Trabalhar ombro a ombro é trabalhar, não é 'lá vai cheque'. Peço desculpa, mas esta também é a minha posição, e não é uma posição ideológica. É uma maneira de estar na vida: é a mesma coisa que quem tem um contrato, fazer apenas o que está escrito ou fazer muito mais do que aquilo que está escrito e atender às necessidades".

A relação com os privados foi um dos temas que mais aqueceu esta audição parlamentar, com a Ministra a reafirmar a prioridade que acha que deve ser dada ao investimento no Serviço Nacional de Saúde - mostrando cautelas com as PPP´s na saúde.

De resto, questionada pela oposição sobre a forma como não terá aproveitado da melhor maneira a oportunidade criada pelo Plano de Recuperação e Resiliência para investir na saúde, Marta Temido diz que cá estará para ser avaliada pelas escolhas que fez.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    19 mai, 2021 Funchal 19:09
    Esta Senhora tem uma pasta difícil e tem feito bom trabalho. Países ricos não têm feito melhor. Um dia poderá chegar a Presidente da República, já ara tempo de termos uma Senhora como tal.
  • Americo Anastacio
    19 mai, 2021 Leiria 15:07
    Graças à "pancada ideológica", muitos compatriotas nossos, porventura morreram.........

Destaques V+