Tempo
|
A+ / A-

Reportagem Covid-19

Vacinas da AstraZeneca? "Agora nem perguntam qual é marca. Querem é ser vacinados”

23 mar, 2021 - 00:57 • Ana Carrilho

Há pouco mais de uma semana, muitos olhavam com receio para a possibilidade de receber a vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. O Governo, seguindo o exemplo de outros países, suspendeu preventivamente a administração. Esta segunda-feira, o imunizante da farmacêutica anglo-sueca voltou aos centros de vacinação. Na Arrentela, no concelho do Seixal, a maioria dos utentes quis ser vacinada. A marca é indiferente.

A+ / A-

Veja também:


Desde o início da manhã até às 16h00 desta segunda-feira, foram administradas 160 vacinas da Pfizer a utentes do grupo prioritário contactados pelo Agrupamento de Centros de Saúde Almada-Seixal para se deslocarem ao Centro de Vacinação, no Pavilhão Portugal Cultura e Recreio, na Arrentela.

A partir das 16h00 passou a ser administrada – novamente – a vacina da AstraZeneca.

Fernanda é uma das utentes - doente crónica - que espera a chamada da enfermeira.

De questionário na mão, confessa à Renascença que está “um bocadinho apreensiva, preferia que fosse outra em que tivesse mais confiança. Ouve-se tanta coisa!”

Garante que quer ser vacinada, mas não sabe se poderá porque tem problemas cardíacos. Minutos mais tarde, depois da conversa com a enfermeira e da vacina tomada, os receios desapareceram.

Umas cadeiras à esquerda e a muitos metros de distância está Augusto. Com uma atitude completamente diferente, mostra-se muito otimista. Revela que já devia ter tomado a vacina na semana passada mas, como foi suspensa, ficou para esta semana.

“Vou levar a vacina da AstraZeneca sem problema nenhum, estou plenamente confiante”, garante.

Com 73 anos e diabético, estava ansioso. “Acredito nos serviços de saúde e como a minha médica me disse que não havia problemas, cá estou eu. O que é importante é que seja vacinado”.

Do outro lado do pavilhão, Augusto já integra o grupo dos vacinados, à espera que passem os 30 minutos “de segurança” sem qualquer reação anormal, para que se possa ir embora.

Diabético e hipertenso, foi contactado pelos serviços do Agrupamento de Centros de Saúde Almada-Seixal (ACeS) no sábado e esta segunda-feira compareceu. Sente-se bem e tem regresso marcado para junho, quando deverá receber a segunda dose.

Augusto não teve qualquer reação anafilática, mas o Centro de Vacinação está preparado com um gabinete de apoio para assistir algum utente que se sinta mal. Tem tido pouco trabalho, revelou à Renascença José Manuel Feliz, o médico que hoje estava de serviço. Quanto muito, “alguma ansiedade”.

É segunda vez que este clínico presta serviço no Gabinete de Apoio do Centro de Vacinação. A primeira foi há uma semana, imediatamente antes administração da vacina da Astra ter sido suspensa. “As pessoas estavam um pouco receosas”.

Uma ideia partilhada pela enfermeira Maria José, que está no Centro todas as segundas-feiras. “Até agora está a correr muito bem, ao contrário de segunda-feira passada. Hoje ainda ninguém recusou. Já dei oito vacinas (em cerca de meia hora) e só tenho mais duas marcadas”.

E revela a mudança de atitude: “até aqui, a expectativa era não levar esta vacina. Mas agora nem sequer perguntam qual é marca. Querem é ser vacinados”.

Não há sobras nem desperdício

Sónia Santos é assistente de Desporto na Câmara Municipal do Seixal, mas tal como muitos outros trabalhadores da autarquia, foi destacada para o processo de vacinação no concelho. Faz o controle dos utentes a vacinar e garante que há poucas faltas. “Quando alguém diz que não pode vir, chamamos outra pessoa da lista de suplentes (sempre prioritários) e esta fica para outra altura”. Afirma que vê mais pessoas ansiosas por ser vacinadas do que a questionar a marca. “As pessoas veem aqui uma esperança que isto tudo acabe rapidamente”.

Quando alguém falta, as doses não se perdem. “Há uma lista de utentes identificados e se houver vacinas para mais utentes, seja porque alguém faltou ou porque há mais doses, os serviços administrativos contactam os utentes e eles deslocam-se ao centro de vacinação, explica Alexandre Tomás, diretor executivo do ACES Almada-Seixal. “O importante é que havendo vacinas, as pessoas sejam vacinadas”.

Hoje deviam ser administradas 50 vacinas da AstraZeneca, mas até podem ter sido mais algumas. É que cada frasco dá (teoricamente) para dez doses. Mas como explicou a Enfermeira Inês Duarte, responsável pela preparação das seringas, “facilmente se consegue mais uma dose (11)”.

Segundo Alexandre Tomás, nos concelhos de Almada e Seixal já foram vacinadas 26 mil pessoas. Entre elas está metade da população dois concelhos com mais de 80 anos.

A Câmara do Seixal disponibilizou três pavilhões desportivos para outros tantos centros de vacinação contra a COVID-19, na Arrentela, Amora, Corroios. De forma a facilitar a deslocação dos munícipes. Ainda assim, se alguém tiver problemas de mobilidade ou de transporte, a autarquia trata, explicou a vereadora Manuela Calado, que frisa a boa colaboração entre a autarquia e o Agrupamento de Centros de Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+