Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Ventilação anti-infeciosa e lâmpadas ultravioletas. A receita para vencer a pandemia

11 fev, 2021 - 22:41 • Hugo Monteiro , Filipe d'Avillez

O infeciologista Jaime Nina diz que faz sentido prolongar o confinamento até março, mas lamenta que o Governo tenha começado a reagir com um ano de atraso em comparação com outros países. Por exemplo, Singapura, que tem uma população parecida com a de Portugal, sofreu apenas 29 mortos.

A+ / A-

Portugal está a negligenciar dois instrumentos fundamentais para fazer face à pandemia. Na opinião do infeciologista Jaime Nina a chave para combater a pandemia pode passar por ventilação anti-infeciosa e lâmpadas ultravioleta.

Este especialista questiona porque é que o Governo ainda não avançou com a instalação de sistemas de ventilação anti-infeciosa nos transportes públicos, por exemplo. “Eu não ouvi falar, e continuo sem ler em jornal nenhum, que Portugal comece a instalar sistemas de ventilação anti-infeciosa. O único transporte público que tem sistema de ventilação anti-infeciosa são os aviões, porque se não fosse isso não podiam voar fora de Portugal.”

“Como é obrigatório eles têm. Porque é que não se põe isso nos autocarros? Porque é que não se põe no metro? No caminho de ferro? Nas camionetas?”

Jaime Nina lembra, ainda, que o país podia recorrer a sistemas de lâmpadas ultravioletas para tentar controlar a incidência do novo coronavírus. “O vírus é muito sensível à radiação ultravioleta. Por isso que houve aquele intervalo livre nos meses de verão, o vírus não sobrevivia à radiação do sol, e quem diz radiação do sol diz das lâmpadas.”

“Há locais que têm lâmpadas ultravioletas. Há muitos anos que é obrigatório nos blocos operatórios, mas não é de forma generalizada e podia ser, nos supermercados, nos centros comerciais, para além dos hospitais e centros de saúde”, diz.

Aposta nos testes e confinamento

O infeciologista dá um exemplo onde estão a ser usadas ambas as estratégias, para além de uma forte aposta na testagem e nos rastreios. “Singapura, por exemplo, com uma população comparável a Portugal, um bocadinho inferior, até agora teve 29 mortos. Porquê? Porque se for a Singapura não consegue entrar num hotel, numa barbearia, num supermercado que não tenha lâmpadas ultravioletas e ventilação anti-infeciosa. Em Portugal nunca se fez.”

“O rastreio de casos é feito lá desde o primeiro dia, em Portugal só agora é que se está a falar que se deve começar a fazer testes em massa, estamos com um ano de atraso", acusa ainda.

Por estas razões, e pelo estado da pandemia atualmente em Portugal, Jaime Nina, faz sentido prolongar o confinamento ao longo do mês de março. O especialista concorda ainda com as razões apontadas por António Costa – o número reduzido de vacinas que tem chegado a Portugal e o aparecimento de novas variantes do vírus.

“Deixámos chegar à situação do confinamento, que é suposto ser arma de último recurso. Teve de avançar para primeira linha, para controlar a epidemia, e os motivos invocado são perfeitamente certos, o atraso na vacinação. Israel, por exemplo, pagou mais do dobro do preço pela vacina da Pfizer, enquanto os outros países que foram mais poupadinhos, nomeadamente a União Europeia, incluindo Portugal, ficaram para trás.”

As estirpes, nomeadamente a sul-africana, tem uma certa preocupação. À partida faz todo o sentido o confinamento ser prolongado", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+