Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

"Não se pode desconfinar já", diz bastonário da Ordem dos Médicos

09 fev, 2021 - 14:59 • Lusa

Miguel Guimarães diz que as medidas de aligeiramento do confinamento têm de ser acompanhadas da diminuição da pressão dos cuidados intensivos.

A+ / A-

Veja também:


O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) sublinhou esta terça-feira que "não se pode desconfinar já", referindo que não conhece um "número mágico" para apontar data ao desconfinamento, mas isso só pode acontecer quando "diminuírem os internamentos de cuidados intensivos".

"Não há dúvida de uma coisa: não podemos desconfinar já. Tivemos uma grande onda, menor no Norte do que no Sul do país, mas é sensato esperar mais algum tempo e esperar que os números de infetados por dia diminuam de forma substancial, apesar de neste momento estarem em queda significativa", disse Miguel Guimarães.

O bastonário da OM, que falava aos jornalistas após uma visita ao Hospital de São João, no Porto, comentava a opinião que alguns epidemiologistas deram esta terça-feira durante a reunião no Infarmed, em Lisboa.

"Precisamos de manter estas medidas de confinamento por um período de dois meses para trazer o número de camas ocupadas em cuidados intensivos abaixo das 200 e a incidência acumulada a 14 dias abaixo dos 60 casos por 100 mil habitantes", defendeu o epidemiologista Baltazar Nunes, do Instituto Ricardo Jorge (INSA).

Apontando que "respeita muito o trabalho muito importante que os epidemiologistas fazem", Miguel Guimarães disse que vai ouvir o gabinete de crise da Ordem dos Médicos, frisando a importância dos médicos que estão no terreno, mas concordou que as medidas de aligeiramento do confinamento têm de ser acompanhadas da diminuição da pressão dos cuidados intensivos.

"É de esperar que haja uma capacidade de resposta maior nos cuidados intensivos para se começar a fazer o desconfinamento de forma ordenada e segura. Isso não quer dizer que sejam dois ou um mês [meses]. Mas uma coisa é certa: a capacidade dos cuidados intensivos não é ilimitada (...). Não sei qual é o número mágico", disse.

Miguel Guimarães apontou que antes da pandemia da Covid-19 a capacidade nacional nas Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) rondava os 600 ou 700, sendo agora de 1.000 a 1.100, mas reiterou: "o número atual de doentes em UCI é exagerado".

"Em 10 doentes internados em UCI, nove são Covid-19 e um não Covid. Não há dúvida que temos de libertar camas de cuidados intensivos para tratar os doentes prioritários", disse, aproveitando para frisar a necessidade de acudir aos doentes não covid, alguns dos quais "com cirurgias que requerem cama de cuidados intensivos nem que seja por 24 horas para uma vigilância mais apertada".

"Temos de ter mais camas libertas para os doentes não Covid-19", sublinhou o bastonário.

Sobre a testagem em massa, Miguel Guimarães defendeu que "aumentar a capacidade de testagem é importante" e aproveitou para deixar mensagens e alertas aos portugueses.

"Testarmos mais significa separar os que estão infetados dos que não estão e quebra das cadeias de contágio (...). O combate a este vírus não terminou. Não é o momento de relaxarmos. As pessoas têm de perceber que o combate não depende só do Governo e dos profissionais de saúde. Depende de todos e cada um de nós", afirmou, apelando ao cumprimento de regras como utilização de máscara, higiene de mãos e distanciamento social.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.325.744 mortos no mundo, resultantes de mais de 106,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Portugal registou hoje 203 mortes relacionadas com a covid-19 e 2.583 casos de infeção com o novo coronavirus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim da DGS revela também que estão internadas 6.070 pessoas, menos 274, a maior redução registada nos últimos dias, das quais 862 em unidades de cuidados intensivos, ou seja, menos 15.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+