Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

Covid-19. Santa Maria tem assistido doentes mais jovens e com maior gravidade

05 fev, 2021 - 20:31 • Lusa

Hospital tem, nesta altura, 395 doentes internados com Covid-19, sendo que 60 encontram-se em cuidados intensivos.

A+ / A-

Veja também:


O Hospital de Santa Maria, em Lisboa, tem 395 doentes internados com o novo coronavírus, 60 dos quais estão internados em cuidados intensivos, disse à agência Lusa o presidente do Conselho de Administração da unidade hospitalar.

“Os restantes doentes [335] estão internados em enfermaria e nas urgências, a aguardar para subir para os pisos”, indicou Daniel Ferro.

O presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte, que integra o Hospital de Santa Maria, adiantou que a média de doentes internados diariamente naquela unidade é de 25 e, “cada vez mais, de escalões etários mais baixos”.

“A noção que temos nesta segunda fase é que têm sido assistidas pessoas nos escalões etários mais baixos e, de um modo geral, a gravidade também é maior”, salientou.

Questionado pela Lusa sobre a eventual falta de camas e de meios o administrador apontou para a “enorme pressão” a que o Santa Maria está sujeito, com a chegada diária de muitos doentes, sublinhando que a unidade hospitalar “está no limite”.

“Somos neste momento o hospital que tem mais doentes. Temos recebido doentes de outros hospitais que, por vezes, suspendem a receção de doentes na urgência. Tudo isso faz com que a pressão seja grande e que, à medida que as necessidades existem, vamos abrindo enfermarias e é o que temos feito e é o que faremos nesta altura”, assegurou.

Apesar desta situação “limite”, Daniel Ferro apelou à tranquilidade dos portugueses e garantiu que “até agora ninguém deixou de ser tratado e de receber os cuidados de que necessita”, dada a “qualidade e o profissionalismo dos profissionais de saúde”.

“A imagem que temos de passar é de tranquilidade, mas ao mesmo tempo também partilhar o risco de estarmos no limite da capacidade dos serviços de saúde. Os serviços só poderão manter este nível se houver cada vez menos infeções e cada vez menos hospitalizações”, alertou.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.285.334 mortos resultantes de mais de 104,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 13.740 pessoas dos 755.774 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+