Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Vacinação nos centros de saúde. “É uma nova fase, muito mais exigente”, diz Costa

03 fev, 2021 - 10:39 • Carla Caixinha , Cristina Nascimento

Primeiro-ministro e ministra da Saúde marcaram presença no arranque da segunda fase de vacinação, nos centros de saúde, que vai abranger 900 mil pessoas.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro considera que o plano de vacinação contra a Covid-19 vai entrar numa "nova fase, muito mais exigente". No Centro de Saúde de Alvalade, em Lisboa, António Costa assistiu aos primeiros vacinados com 80 ou com mais anos e pessoas acima dos 50 com doenças associadas.

O chefe do Governo afirmou que será dado "um grande salto" no combate à pandemia, mas também pediu que as pessoas não estivessem ansiosas.

"Não vale a pena correr para as suas unidades locais de saúde", disse Costa, garantido que "cada um vai ser contactado" e que é fundamental respeitar os critérios de vacinação definidos pelos especialistas.

Os profissionais de saúde vão ter "dois meses de trabalho muito exigente, mas que vai ser fundamental para preparar a fase seguinte", quando a vacinação for alargada ao resto da população.

Nesta ocasião, recordou que "mais de 400 mil pessoas já tiveram pelo menos a primeira dose" da vacina.

"A vacina é a garantia de que vamos erradicar esta pandemia", disse Costa, lembrando ainda que a União Europeia está a fazer "um esforço muito grande" para conseguir que a indústria farmacêutica "cumpra os contratos" de entrega das vacinas.

“Fase mais complexa e desafiante”

No arranque desta nova etapa do plano de vacinação nacional a decorrer agora nos centros de saúde, a ministra de Saúde reconhece que Portugal entrou na “fase mais complexa e desafiante”.

Durante uma visita ao centro de Saúde de Alvalade, em Lisboa, Marta Temido lembrou que o processo não é só a administração de uma injeção, mas sim “um processo integrado de cuidados de saúde”.

“Temos de ter em consideração que este processo vai, por muito que o queiramos acelerar, demorar tempo”, sublinhou a ministra, acrescentado que a vacina é um ato de saúde.

Na sua intervenção destacou a “capacidade que houve de introduzir o sistema de mensagem para que as pessoas possam ser chamadas”. Este processo, “além de inovador”, é complementado por outra possibilidade: “Quem não têm médico de família atribuído pode ir ao seu médico particular e, estando em condições de ser vacinado, pode, também, da parte do seu médico, obter uma declaração que as considera elegíveis”.

Na semana passada, “havia já cerca de três centenas de pessoas que tinham esse documento”, contabilizou.

Marta Temido aproveitou para deixar uma mensagem de tranquilidade, assegurando a existência de outras vias para quem se serve do sistema de saúde privado e destacando a “preocupação de garantir que o sistema chega a todos adequadamente”.

Aproveitou ainda para deixar um alerta: “É essencial que continuemos todos a manter as medidas de proteção, como o distanciamento físico, a utilização de máscaras, o arejamento dos espaços e a higienização das mãos”.

Esta manhã, a ministra da Saúde e o primeiro-ministro visitaram o centro de saúde de Alvalade, para marcar o arranque da vacinação contra a Covid-19 nestas unidades de saúde.

Em Portugal, morreram 13.017 pessoas dos 731.861 casos de infeção confirmados, de acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    03 fev, 2021 Lisboa 12:16
    Este homem que exerce de "primeiro-ministro" deve desconhecer que a imunidade de grupo se conseguirá com cerca de 70% da população vacinada. Isto é, mais ou menos, 7 milhões de pessoas. E resta saber durante quanto tempo dura a imunidade. Nem os especialistas ainda sabem. Alguns falam num ano. Esta é apenas mais uma acção de propaganda, na qual este homem é exímio. E, mais uma vez, está a dar sinais errados à população, sobretudo aos menos esclarecidos.

Destaques V+