32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Demitiu-se o coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19

03 fev, 2021 - 15:33 • Redação, com Pedro Mesquita

Francisco Ramos renunciou ao cargo devido a "irregularidades" na seleção para vacinação de profissionais de saúde no Hospital da Cruz Vermelha, avança o Ministério da Saúde.

A+ / A-

Veja também:


Demitiu-se o coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19, Francisco Ramos, avança o Ministério da Saúde, em comunicado.

O gabinete da ministra Marta Temido explica que Francisco Ramos renunciou ao cargo, na terça-feira, "por irregularidades detetadas pelo próprio no processo de seleção de profissionais de saúde no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa", do qual é presidente da Comissão Executiva.

"O funcionamento da Task Force mantém-se assegurado pelos restantes membros do núcleo de coordenação", refere o Ministério da Saúde.

O próprio Francisco Ramos divulgou um comunicado em que deu conta das razões da sua decisão.

"Ao tomar conhecimento de irregularidades no processo de seleção para vacinação de profissionais de saúde do Hospital da Cruz Vermelha, do qual sou Presidente da Comissão Executiva, considero que não se reúnem as condições para me manter no cargo de coordenador da task force para a elaboração do Plano de Vacinação Contra a COVID-19 em Portugal. Assim, apresentei ontem, dia 2 de fevereiro de 2021, à Senhora Ministra da Saúde, a renúncia ao cargo."

A presidência de Francisco Ramos deste órgão não tem sido isenta de polémicas. Recentemente, quando confrontado com irregularidades e polémicas em torno da vacinação, incluindo casos de pessoas não prioritárias que foram vacinadas nesta primeira fase, no sentido de saber se essas mesmas pessoas deviam agora receber a segunda toma da vacina, Francisco Ramos respondeu dizendo que os eleitores do Chega certamente pensam que não, mas que todos os outros devem ter mais solidariedade. Os comentários não caíram bem entre os partidos da oposição nem nas redes sociais.


"Milhares de vacinações indevidas"

A Ordem dos Enfermeiros saúda a demissão de Francisco Ramos. Ana Rita Cavaco, a bastonária, calcula que tenha havido milhares de vacinações indevidas e só não compreende como é que Francisco Ramos continua a ocupar o seu cargo no Hospital da Cruz Vermelha.

"Aquilo que entendemos é que a gota de água, o que motiva a demissão, são irregularidades na vacinação do Hospital da Cruz Vermelha, que ele próprio preside. O que nós não compreendemos é que ele se demita da Task Force e não se demitir dessa instituição."

"Aquilo que nos interessa é que o trabalho seja feito e seja bem feito. Efetivamente isso, com as denúncias todas que recebemos, atrevemo-nos a dizer que houve milhares de vacinações indevidas. Portanto não nos interessa a pessoa que está à frente, interessa-nos é que faça aquilo que tem de fazer e a Ordem inclusivamente já se ofereceu para coordenar centros de vacinação e se isso tivesse acontecido estes casos de vacinações indevidas não teriam acontecido", conclui Ana Rita Cavaco.

"Casos vergonhosos têm que parar, há gente a morrer"

Adalberto Campos Fernandes defende mudanças no plano de vacinação contra a Covid-19. O antigo ministro da Saúde considera que os casos “vergonhosos” de irregularidades estão a minar a confiança no processo e “têm que parar”, porque “há gente a morrer e a sofrer”.

Em declarações à Renascença, Adalberto Campos Fernandes faz um apelo, enquanto cidadão, ao primeiro-ministro e ao Presidente da República, porque “estamos a levar longe de mais a não credibilidade de um processo que é vital para o país”.

O antigo ministro defende que o plano de vacinação para a Covid-19 deve ser liderado pela saúde pública e que os militares podem ter um papel reforçado.

Em relação às irregularidades noticiadas no processo de vacinação, Adalberto Campos Fernandes alerta que os “casos vergonhosos” têm que "parar porque há gente a morrer, há gente a sofrer e há um capital de confiança que se está a perder".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo Anastacio
    03 fev, 2021 Leiria 15:45
    Pois ..............."por irregularidades detetadas pelo próprio no processo de seleção de profissionais de saúde no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa, do qual é presidente do Conselho de Administração". Não querem dar uma condecoração ao homem ?

Destaques V+