Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Governo fecha fronteiras nas próximas duas semanas

28 jan, 2021 - 16:07 • Redação

Vão ser limitadas "as saídas por via aérea, terrestre e fluvial de cidadãos nacionais, salvo casos excecionais", anuncia o ministro da Administração Interna.

A+ / A-

Veja também:


Nas próximas duas semanas as fronteiras portuguesas estarão fechadas para tentar travar a pandemia de Covid-19, anuncia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

O governante falava no debate parlamentar de renovação do estado de emergência, que vai estar em vigor até 14 de fevereiro, que foi aprovado com votos favoráveis do PS, PSD, CDS, PAN e deputada não-inscrita Cristina Rodrigues.

"Tal como já tínhamos limitado e depois suspendemos os voos do Reino Unido, como suspendemos os voos de e para o Brasil e iremos contribuir para a decisão europeia que limita voos entre áreas de risco em toda a União Europeia e passa a exigir teste e quarentena por decisão articulada a nível europeu", disse Eduardo Cabrita.

"É também o Governo que, por decisão no quadro de uma estratégia nacional, adotará a medida de limitação de deslocações para o exterior nos próximos 15 dias de cidadãos nacionais para proteger os cidadãos nacionais, para contribuir para a redução de contágio e limitação da pandemia, limitando as saídas por via aérea, terrestre e fluvial de cidadãos nacionais, salvo casos excecionais", declarou o ministro da Administração Interna.


A possibilidade de encerramento e reposição do controlo de fronteiras está prevista no novo decreto do estado de emergência e o Governo vai mesmo utilizar esse mecanismo para tentar controlar a pandemia.

Portugal regista novos máximos de número de mortos e de novas infeções por Covid-19. De acordo com o boletim diário da Direção-Geral da Saúde divulgado esta quinta-feira, nas últimas 24 horas, morreram 303 pessoas e há mais 16.432 novos casos.

O debate de renovação do estado de emergência fica marcado pelas curas críticas do líder do PSD. Rui Rio disse que partido continuará a assumir uma "posição de responsabilidade", mas advertiu que está na altura de “dar um murro na mesa”, devido a “excessivas falhas” do Governo na gestão da pandemia.

Em resposta às críticas da oposição, a ministra da Saúde disse que "não é aceitável utilizar a morte como argumento político". Marta Temido garantiu que o Governo "não desertou" e "continua a lutar" ao lado dos portugueses para travar a pandemia de Covid-19.

Evolução da Covid-19 em Portugal

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Pinho
    28 jan, 2021 Vila de Cucujães - Oliveira de Azeméis 17:05
    Dê, dr. Rui Rio, dê que já perde pela demora! Agora tenha cuidado com a sua mão porque o murro já tem que ser muito forte; se calhar até já vai de ter que partir a mesa!... Não quebre a mão!

Destaques V+