32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Coronavírus

Covid-19. Especialistas querem prioridade urgente na vacinação dos maiores de 80 anos

26 jan, 2021 - 09:30 • Lusa

Signatários querem revisão rápida do plano de vacinação "antes que seja demasiado tarde e se tenha perdido uma boa parte de uma geração”.

A+ / A-

Veja também:


Especialistas em infeciologia, pneumologia, virologia e saúde pública defendem numa carta aberta divulgada esta terça-feira a alteração dos critérios de vacinação contra a Covid-19 para dar prioridade aos maiores de 80 anos.

Sublinhando que o que os move “não é um juízo político, mas um imperativo ético e uma preocupação científica”, nomes como António Silva Graça (epidemiologista), Pedro Simas (virologista), Filipe Froes (pneumologista) e Constantino Sakellarides (especialista em saúde pública) defendem que “a forma mais eficaz de reduzir o número total de mortos é vacinar os maiores de 80 anos e o pessoal médico e de saúde”.

“Foi com base nestes mesmos pressupostos científicos que a Comissão Europeia recomendou a todos os Estados-membros que vacinem até março um mínimo de 80% dos maiores de 80 anos e dos profissionais de saúde”, afirmam, lembrando que o primeiro-ministro se comprometeu publicamente em Bruxelas “a concretizar esta orientação”.

Na carta, publicada no jornal Público, também assinada pelos ex-ministros da Saúde Maria de Belém e Adalberto Campos Fernandes e pela ex-presidente do Infarmed Maria do Céu Machado, os especialistas recordam que “a grande maioria dos Estados, incluindo aqueles com melhores práticas médicas e científicas, têm vindo a organizar o processo de vacinação começando pelos grupos etários mais velhos”.

Defendem que os critérios têm de ser “claros e transparentes, conformes a princípios éticos irrepreensíveis e resultar de um processo inclusivo e cientificamente rigoroso”, considerando que “tal é também fundamental para assegurar a confiança pública necessária à eficácia de todo o processo de vacinação”.

Na carta, os especialistas recordam: “observámos, ontem mesmo [segunda-feira], já depois de escrita a versão original deste texto, que a ministra da Saúde abriu a porta a essa revisão seguindo as orientações da Comissão Europeia que reconhecem a evidência científica há muito expressa nos planos de vacinação dos países europeus”.

“Mas está por apresentar um Plano de Vacinação corrigido que incorpore o fator idade como elemento essencial das prioridades da vacinação. É para isso que apelamos antes que seja demasiado tarde e se tenha perdido uma boa parte de uma geração”, escrevem.

Numa entrevista ao jornal Expresso na semana passada, o coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19 revelou que o grupo de trabalho está a preparar alterações ao plano, com uma proposta que deverá incluir os titulares de altos cargos de decisão e os bombeiros entre os prioritários a vacinar.

O plano de vacinação contra a Covid-19 está dividido em três fases, a primeira das quais, a decorrer, abrange profissionais de saúde e idosos e pessoal que os acompanha nos lares. Esta fase, que se prolonga até final de março, inclui também profissionais das forças armadas, forças de segurança e serviços críticos.

Nesta fase serão igualmente vacinadas, a partir de fevereiro, pessoas de idade igual ou superior a 50 anos com pelo menos uma das seguintes patologias: insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório e/ou oxigenoterapia de longa duração.

A segunda fase arranca a partir de abril e inclui pessoas de idade igual ou superior a 65 anos e pessoas entre os 50 e os 64 anos de idade, inclusive, com pelo menos uma das seguintes patologias: diabetes, neoplasia maligna ativa, doença renal crónica, insuficiência hepática, hipertensão arterial, obesidade e outras doenças com menor prevalência que poderão ser definidas posteriormente, em função do conhecimento científico.

Na terceira fase será vacinada a restante população, em data a determinar.

As pessoas a vacinar ao longo do ano serão contactadas pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    26 jan, 2021 Lisboa 10:38
    Excelente táctica: incluir na vacinação da 1ª fase, políticos, pessoas de 80 anos que podem ficar resguardadas em casa por já não estarem activas, enquanto o grosso da população activa que circula todos os dias e mantém a actividade e o País de pé, na melhor das hipóteses é "lá para o fim do verão" ou o que é mais certo face a estas quebras de entrega de vacinas, para o ano que vem...
  • Revolta!
    26 jan, 2021 Abrir a pestana 10:14
    Pois é, pena é a quantidade de vacinas disponíveis ser a mesma ou menor, com o açambarcamento de certos Países ricos que pagam acima dos preços acordados pela UE e é por isso que Pfizers e Modernas, afinal já não mandam a quantidade contratualizada. Agora querem meter na 1ª fase os (malditos) políticos e os "velhinhos" de 80 anos, muitos deles já retirados do mundo, enquanto médicos do Privado, professores, oficiais de justiça, gente que todos os dias lida com N pessoas vai ficando cada vez mais para trás...

Destaques V+