Tempo
|
A+ / A-

Hospitais suspendem atividades não urgentes? Sindicato dos Médicos critica e pede ao Governo que recorra a privados

04 nov, 2020 - 10:30 • Redação

A indicação foi dada pela ministra da Saúde. No despacho, Marta Temido justifica o pedido com o aumento do numero de casos de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


Os hospitais públicos receberam ordem do Governo para cancelarem a atividade não urgente, pelo menos, durante este mês de novembro. Esta situação é criticada pelo Sindicato Independente dos Médicos, que pede ao Governo para recorrer aos privados de forma a minimizar o impacto junto dos doentes.

Ouvido pela Renascença, Jorge Roque da Cunha acusa ainda o Ministério da Saúde de andar a fazer propaganda e marketing político, quando deveria ter calculado este cenário com antecipação.

“Em vez de se preocupar em investir, preocupou-se em propagandear. Infelizmente, esta situação, tem vindo a agravar-se. Mais uma vez… faço um apelo para que rapidamente se sentem à mesa com as misericórdias e o setor privado para resolver situações fora do Serviço Nacional de Saúde, de forma justa e não despendendo mais meios necessários para situações de emergência”, alerta.

O apelo do secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos surge depois de o Governo ter dado indicações aos hospitais públicos para suspenderem a atividade não urgente, num despacho assinado pela ministra da Saúde.

Em comunicado, Marta Temido explica que, afinal, cabe aos hospitais avaliar a “suspensão da atividade assistencial não urgente que, pela sua natureza ou prioridade clínica, não implique risco de vida para os doentes”.

O mesmo texto refere que o “despacho para garantir a melhor coordenação e articulação de resposta às necessidades, equilibrando a assistência regional e inter-regional”.

O despacho, assinado pela ministra da Saúde, diz que os hospitais do SNS podem suspender durante o mês de novembro a atividade assistencial "que, pela sua natureza ou prioridade clínica, não implique risco de vida para os utentes, limitação do seu prognóstico e/ou limitação de acesso a tratamentos periódicos ou de vigilância".

"Compete às Administrações Regionais de Saúde, I.P. (ARS, I.P.) assegurar a coordenação da utilização da capacidade instalada nos hospitais da sua área geográfica e, sempre que necessário, tomar as medidas adequadas à articulação inter-regional, sem prejuízo das competências atribuídas a outras entidades", refere o documento, com data de terça-feira.

O despacho diz ainda que compete à Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a COVID-19 (CARNMI), em articulação com os hospitais do SNS, através dos respetivos Serviços de Medicina Intensiva, e com as ARS, I.P., "coordenar a gestão, a nível nacional, de camas de Medicina Intensiva de nível III e nível II, em função da evolução da pandemia COVID-19 e das capacidades hospitalares existentes a cada momento.

Já ao Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P., (INEM, I.P.) compete "apoiar o transporte inter-hospitalar de doentes críticos cuja transferência se revele necessária", acrescenta.

Portugal contabiliza pelo menos 2.635 mortos associados à Covid-19 em 149.443 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da DGS.

O confinamento parcial entrou em vigor, esta quarta-feira, em 121 concelhos de Portugal continental onde há "risco elevado de transmissão da Covid-19", aplicando-se o dever de permanência em casa, exceto para deslocações autorizadas, como compras, trabalho, ensino e atividade física.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    04 nov, 2020 Leiria 11:32
    Até quando vamos "aguentar" esta gente que por uma tontice ideológica vai-nos matando aos poucos ?

Destaques V+