Tempo
|
A+ / A-

​ZERO e MUDI pedem mais apoios à aquisição de bicicletas. Pandemia pode ser oportunidade para mudar

18 out, 2020 - 16:53 • Redação

Em declarações à Renascença, o ambientalista Francisco Ferreira defende mais incentivos à compra de bicicletas novas e também à reparação. A prova do sucesso da medida é que “muitos portugueses responderam ao financiamento disponível, que em muitos casos se esgotou”.

A+ / A-

Os ambientalistas da ZERO e a MUBI - Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta defendem mais incentivos à compra e reparação de bicicletas, com verbas do Orçamento do Estado, porque a pandemia pode ser uma "oportunidade única de mudar a forma como nos deslocamos na cidade”.

Francisco Ferreira, da ZERO, apela ao Governo e aos partidos para “darem um fortíssimo incentivo à aquisição e reparação de bicicletas", através do Fundo Ambiental em 2021," um meio de transporte extremamente amigo do ambiente, melhora a saúde, impede o agravamento da poluição do ar, da emissão de gases com efeito de estufa, ruído, do congestionamento nas cidades”.

Em declarações à Renascença, o ambientalista afirma que a prova do sucesso da medida é que “muitos portugueses responderam ao financiamento disponível, que em muitos casos se esgotou”.


Portugal ainda está “longe do que é desejável”, considera Francisco Ferreira. Por isso, a ZERO e a URBI defendem que o atual apoio de 10% para aquisição de bicicletas convencionais deve passar para 50%, com um limite máximo de 200 euros, para um total de 5 mil veículos.

Para aquisição de bicicletas elétricas novas, as associações propõem a manutenção do apoio de 50%, mas com um aumento do limite máximo para 500 euros, também para um total de 5 mil bicicletas.

A ideia também passa por incentivos à reparação das “duas rodas” que estão paradas em casa, sem uso, nomeadamente um “voucher” de 50 euros, para 50 mil bicicletas.

“Podia ser um enorme apoio para voltarmos a ter este meio transporte com um peso maior, nomeadamente na deslocação casa-trabalho”, afirma Francisco Ferreira, para quem a pandemia de Covid-19 “é uma oportunidade única de mudar a forma como nos deslocamos na cidade”.

O dirigente da ZERO critica, ainda, o atraso de um ano na calendarização e orçamentação das 51 medidas aprovadas na Estratégia Nacional para a Mobilidade Ativa Ciclável.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+