Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Incêndio em Oleiros já destruiu área equivalente à cidade do Porto

27 jul, 2020 - 11:26 • Maria João Cunha , Joana Gonçalves

O fogo que deflagrou no passado dia 25 de julho representa um quarto de toda a área ardida no país, no ano 2020. Portugal é o país da União Europeia com maior média de área ardida na última década - 112.561 hectares.

A+ / A-

O incêndio que deflagrou no passado dia 25 de julho no concelho de Oleiros, em Castelo Branco, já destruiu 4.180 hectares - área que ultrapassa a extensão da cidade do Porto. Os dados são avançados pelo Sistema Europeu de Informação de Fogos Florestais (EFFIS) , que adianta que desde janeiro já arderam 16.810 hectares de terreno em Portugal.

A mesma plataforma dá conta de 134 incêndios contabilizados no mesmo período, no país.


Fogos de 2020 já ultrapassam o total de incêndios de 2018

O número de incêndios registados em Portugal, desde janeiro, já ultrapassa o total de ocorrências nos anos de 2018 e 2014. Ainda assim, face ao ano anterior o país regista menos 83 fogos.

2017 permanece o ano com maior número de incêndios e a mais elevada extensão de àrea ardida, da última década.


Portugal apresenta a maior média de área ardida da UE

Portugal é o país da União Europeia com maior média de área ardida, nos últimos dez anos - 112.561 hectares - quase o dobro do país que se segue - Espanha, com 59.227 hectares.

Itália (37.939), Roménia (15.827) e Croácia (14.089) ocupam os lugares seguintes no ranking.

No ano corrente Portugal é já o terceiro país da UE com mais área ardida, atrás da Roménia e da Croácia, à frente de Espanha, França e Itália.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+