Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Estado de calamidade

Veja os números que motivaram Costa a levantar restrições

30 abr, 2020 - 18:15 • Joana Gonçalves

O risco de transmissibilidade (Rt) do novo coronavírus é agora inferior a 1 e a taxa de ocupação de unidades de cuidados intensivos está abaixo dos 55%. Parte dos dados divulgados pelo primeiro-ministro na apresentação do plano de desconfinamento não são públicos, apesar de já terem sido solicitados à Direção-Geral da Saúde.

A+ / A-

Veja também:


Uma capacidade de testagem superior à média da União Europeia, um risco de transmissibilidade do novo coronavírus inferior a 1 e uma taxa de ocupação de unidades de cuidados intensivos que ronda os 55% foram os critérios apontados, esta quinta-feira, por António Costa para o levantamento gradual de restrições em Portugal.

Na conferência de imprensa de apresentação do plano de desconfinamento, o primeiro-ministro adiantou que o risco de crescimento exponencial do número de casos de infeção pela Covid-19, previsto no início do mês de março, foi combatido com sucesso e “ ao longo destes dois meses foi possível verificar redução significativa do risco de transmissibilidade da doença”.

"[O R0] chegou a atingir um valor de 2.53. Tem vindo a diminuir progressivamente, tem tido uma média de 0.92. Todas as regiões do país têm, neste momento, um R0 inferior a 1", garantiu.

O R0 corresponde ao número de novos casos gerados a partir de um único confirmado. Quanto maior este valor mais difícil se torna o controlo da pandemia. A 28 de fevereiro, a OMS calculou um R0 de 2 a 2.5 para o novo coronavírus.

António Costa destacou, ainda, o abrandamento no número de novos infetados e o decréscimo do número de mortes diários por Covid-19. Recorde-se que no passado dia 20 de abril o número de recuperados superou pela primeira vez o número de óbitos em Portugal.

Um outro sinal de otimismo é a percentagem de doentes que estão a ser seguidos em casa. De acordo com o boletim diário da DGS, cerca de 95% dos infetados com o novo coronavírus estão em isolamento domiciliário. A atual percentagem em internamento é de 4%, com 0,8% em cuidados intensivos e 3,2% em enfermaria.

O primeiro-ministro defende, por isso, que o SNS é capaz de responder a futuros casos mais críticos.

A taxa diária de ocupação de UCI tem-se situado entre os 50% e os 65%. Destes, 50 a 60% foram diagnosticados com Covid-19, de acordo com os dados divulgados esta tarde pelo primeiro-ministro, que não são públicos, apesar de já terem sido solicitados à Direção-Geral da Saúde.


Taxa de ocupação em UCI

O reforço da capacidade de testagem foi outro dos critérios apresentados por António Costa para dar luz verde ao desconfinamento gradual. Desde 1 de março, foram realizados cerca de 302 mil testes de diagnóstico à Covid-19.

"Portugal apresenta uma capacidade de testagem de 37.302 pessoas por milhão de habitantes, uma das melhores da Europa, apenas superado pelo Chipre, Estónia e Letónia", afirmou o Chefe de Estado. Na última semana foram efetuados cerca 12.800 testes por dia.

De acordo com a DGS, existe capacidade laboratorial para realizar até um máximo de 15.000 amostras por dia e o primeiro-minitro admite que o programa de testes nos lares deverá estar concluído dentro de três semanas. Estão a ser realizados 4.000 testes diários.


Apesar do cenário otimista, a taxa de letalidade do novo coronavírus ronda os 3,9% em Portugal, um valor acima das estimativas globais. Também por isso, António Costa reforça que "não que dizer que a pandemia esteja ultrapassada e o risco esteja vencido".

O uso obrigatório de máscaras em espaçoes públicos e a limitação a dois terços da lotação de transportes são algumas das medidas avançadas pelo primeiro-ministro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FIlipe
    01 mai, 2020 évora 01:58
    Aldrabice , tomam Portugal como um todo e calculam médias . Certamente se isolarmos o Norte , Centro e Sul , vamos ter o tal R maior a Norte e menor no Sul . Esquemas para enganar a população. O que é certo e inseguro é existirem mais de 20.000 casos ou FOCOS de infeção fora dos hospitais carregados cada um de milhões de vírus , esperando hospedeiros ....

Destaques V+