Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ordem dos Médicos aconselha DGS a dar atenção aos estudos sobre excesso de mortalidade durante a pandemia

29 abr, 2020 - 09:33 • Miguel Coelho (entrevista), Redação (texto)

"Uns estudos apontam que o impacto foi maior, outros menor, mas nunca na dimensão que o subdiretor-geral da Saúde disse", assinala o bastonário. Miguel Guimarães pede plano de recuperação rápida dos doentes prioritários não-Covid.

A+ / A-

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, apela à Direção-Geral da Saúde (DGS) para que compare os seus números com os de um estudo que indica que Portugal pode ter registado 4.000 mortes em excesso, e se despache a retomar a atividade não-Covid nos hospitais, para que os restantes doentes não continuem a ser descurados.

Um estudo da Universidade de Lisboa concluiu que, entre 1 de março e 22 de abril, o número de mortes em Portugal pode ter chegado a um valor quase cinco vezes maior do que o atribuído à Covid-19. Contudo, na terça-feira, o subdiretor-geral da Saúde garantiu que a mortalidade excessiva não passava dos 307 óbitos, desde o início do ano. Em entrevista à Renascença, no programa As Três da Manhã, esta quarta-feira, o bastonário da Ordem dos Médicos aconselhou Diogo Cruz "a ler e interpretar os estudos que foram publicados sobre esta matéria".

"O estudo foi publicado na 'Acta Médica Portuguesa', que é a revista científica da Ordem e uma das quatro revistas com fator de impacto científico em Portugal. Não é uma revista qualquer, é uma das revistas mais importantes a nível internacional. Até agora, foram feitos quatro estudos tentando avaliar o impacto negativo que esta situação tem tido nas mortes por outras causas que não a Covid", apontou Miguel Guimarães.

"Uns estudos apontam que o impacto foi maior, outros menor, mas nunca na dimensão que o subdiretor-geral da Saúde disse. Julgo que a DGS vai ter de olhar para os seus próprios números relativamente à mortalidade dos doentes não-Covid e fazer uma reflexão sobre isto", acrescentou o bastonário.

O mesmo responsável salientou que a Ordem dos Médicos "está preocupada com todos os doentes portugueses, não apenas os doentes Covid", e apontou que os indicadores que chegam das comunidades científicas "são preocupantes". Deu um exemplo: "Se considerarmos meses homólogos este ano, entre dia 15 de março e 7 de abril, penso eu, o numero de diagnósticos de infarte agudo de miocárdio caiu quase 50%."

"A DGS deve olhar para isto com atenção, implementar um plano de recuperação rápida dos doentes prioritários que foram todos adiados na imensa maioria dos hospitais, porque, de facto, há patologias que não podem esperar e a saúde mexe com todas as outras áreas, nomeadamente com a economia", assinalou Miguel Guimarães.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 29 abr, 2020 12:40
    Há QUANTOS DIAS eu alertei para este facto e pedi que fizessem a destrinça? Agora! ! ! !
  • Filipe
    29 abr, 2020 évora 11:46
    Andam a enganar as pessoas , fazendo crer que a máscara funciona como um preservativo tal como no HIV . É completamente falso a ideia de proteção na vida pública . O vírus está em todos os locais , roupa , mãos , cabelo , cara ... de um qualquer infetado e é libertado pelo toque entre superfícies . Era preciso que um infetado pudesse sair de casa esterilizado e com fato de astronauta , mesmo assim podia haver risco de contágio . Se já existem estudos que compravam este vírus comportar-se como o vírus da HIV , ou seja : Nunca mais vai abandonar o hospedeiro , deixa sequelas para a vida e arrasa a saúde de crianças , preocupem-se em proteger o máximo de pessoas enquanto não existir vacina ou anti viral capaz . Porque um dia existe vacina e aqueles que foram contaminados ou já morreram ou já não faz efeito .

Destaques V+