Tempo
|
A+ / A-

​IPMA integra precários nos quadros, mas deixa investigadores de fora

02 set, 2019 - 20:41 • Ana Carrilho, com Lusa

Em declarações à Renascença, Bárbara Pereira, uma das bolseiras de investigação que trabalha com a instituição há quase 13 anos, confirma que houve integrações, mas para as áreas técnicas e de informática.

A+ / A-

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) não integrou qualquer investigador nos seus quadros ao abrigo do Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP).

Em declarações à Renascença, Bárbara Pereira, uma das bolseiras de investigação que trabalha com a instituição há quase 13 anos, confirma que houve integrações, mas para as áreas técnicas e de informática.

“Na primeira fase, foram homologados 135. Destes, cerca de 90 foram integrados, são de carreiras técnicas. Na investigação, ficámos todos a aguardar. Somos 38 que estamos a aguardar, dois tiveram parecer na semana passada para investigadores. Temos todos doutoramento e estamos à espera”, explica Bárbara Pereira.

O Ministério do Mar, que tutela o IPMA, avançou esta segunda-feira à agência Lusa que já regularizou a situação de 84 trabalhadores e estão em preparação aos procedimentos para a regularização de mais 14.

Quanto aos investigadores, o gabinete de Ana Paula Vitorino referiu que foi criada uma comissão de avaliação visando garantir a imparcialidade e igualdade de tratamento em todos os laboratórios do Estado, nomeadamente se as funções exercidas correspondem à carreira de investigação ou de técnico superior.

O despacho conjunto foi publicado no dia 22 de agosto. Uma medida que os bolseiros do IPMA contestam já que o presidente já tinha dado o seu parecer numa outra comissão de avaliação, no fim de 2017.

Segundo o comunicado que o grupo de bolseiros divulgou, atestava que "as funções dos trabalhadores correspondiam a actividades de investigação e a necessidades permanentes de serviço, pelo que deveriam ser integrados na carreira de investigação científica".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+