32,08%
8 Deputados
31,11%
7 Deputados
9,79%
2 Deputados
9,07%
2 Deputados
4,26%
1 Deputados
4,12%
1 Deputados
3,76%
0 Deputados
1,22%
0 Deputados
2,62%
0 Deputados
  • Freguesias apuradas: 3092 de 3092
  • Abstenção: 63,48%
  • Votos Nulos: 0,77%
  • Votos em Branco: 1,20%

A+ / A-

Boeing 737-800 perde parte da fuselagem em pleno voo nos Estados Unidos

16 mar, 2024 - 05:41 • Redação

A Boeing tem estado sob forte escrutínio, ao nível da segurança, depois do recente incidente com um Boeing 737 da Alaska Airlines, que perdeu uma porta logo após a descolagem.

A+ / A-

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) está a investigar a perda de um painel exterior de um Boeing 737-800 da United Airlines, antes da aterragem na cidade de Medford, no estado norte-americano do Oregon, esta sexta-feira.

O voo 433 da United aterrou no aeroporto de Medford por volta das 20h45 (hora de Lisboa), transportando 139 passageiros e seis tripulantes após ter descolado de São Francisco, segundo a FAA e a companhia aérea.

A United Airlines informou que vai ser aberta uma investigação e que nenhuma emergência foi declarada, dado que não houve indicação de danos durante o voo.

Segundo a Agência Reuters, a FAA adiantou que uma inspeção aérea após a aterragem do aparelho revelou a falta do painel externo que fazia parte da fuselagem. Ainda de acordo com os registos da FAA, o avião foi construído no final de 1998.

A Boeing tem estado sob forte escrutínio, ao nível da segurança, depois do recente incidente com um Boeing 737 Max 9 da Alaska Airlines, que perdeu uma porta logo após a descolagem.

A agência norte-americana responsável pela segurança dos transportes (NTSB) concluiu que o painel que cedeu não tinha quatro parafusos instalados porque aparentemente não tinham sido substituídos na fábrica da Boeing no Estado de Washington.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+