Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Governo de Meloni sob pressão para reprimir apologia do fascismo em Itália

10 jan, 2024 - 21:52 • Lusa

Na comemoração, que se realiza todos os anos diante da antiga sede do movimento neofascista MSI, na Via Acca Larentia, na capital italiana, participaram grupos de extrema-direita de muitas partes do país, e a unidade especial nacional de segurança, a Divisão de Investigações Gerais e Operações Especiais (DIGOS), está a trabalhar com as autoridades policiais de várias cidades para identificar mais pessoas envolvidas no evento.

A+ / A-

A oposição política italiana está a pressionar o governo, uma coligação de direita e extrema-direita, a tomar medidas para reprimir a apologia do fascismo, após centenas de pessoas terem feito a saudação nazi numa recente manifestação em Roma.

A controvérsia surgiu após a divulgação de imagens de uma manifestação noturna celebrada no passado domingo em Roma, a assinalar o aniversário do assassinato, em 1978, de três jovens do Movimento Social Italiano (MSI), neofascista, por um grupo de extrema-esquerda, e nas quais se vê centenas de pessoas, em formação militar e vestidas de negro, a fazerem a saudação nazi (ou romana, como é designada em Itália).

As imagens dos manifestantes vestidos de 'camisas negras' - a designação dada aos grupos de paramilitares e militares apoiantes de Benito Mussolini na Itália fascista -- a fazerem a saudação nazi provocaram a indignação da generalidade da oposição política italiana, levando mesmo o Partido Democrático (socialista), líder da oposição, a apresentar na terça-feira um projeto-lei no parlamento italiano "para tornar mais eficaz a repressão da promoção e glorificação da ideologia e símbolos fascistas", que é crime em Itália.

No entanto, para que o texto se torne lei, serão necessários não só os votos da oposição, mas também os da ala direita do governo, cuja líder, Giorgia Meloni, da formação de extrema-direita Irmãos de Itália, considerada a 'herdeira' do MSI, ainda não se pronunciou sobre o sucedido no domingo, apesar dos apelos de várias figuras da oposição para que o faça publicamente e se distancie da manifestação.

Já os líderes das outras duas forças políticas que constituem a coligação governamental, Antonio Tajani (Força Itália, centro-direita) e Matteo Salvini (Liga, extrema-direita) já se pronunciaram, com o primeiro a garantir que o seu partido é "antifascista" e a apontar que "já há uma lei e está previsto que não se pode fazer apologia do fascismo", enquanto o segundo comentou que, "felizmente, o comunismo e o fascismo, que criaram guerras, morte, fome e miséria, não voltarão".

Também a inação da polícia tem sido muito criticada, mas esta quarta-feira as autoridades anunciaram que já foram identificadas mais de 100 pessoas que fizeram a saudação fascista na comemoração do 46º aniversário do "massacre de Acca Larentia", como é conhecido o episódio do assassinato dos três jovens militantes de extrema-direita.

Na comemoração, que se realiza todos os anos diante da antiga sede do movimento neofascista MSI, na Via Acca Larentia, na capital italiana, participaram grupos de extrema-direita de muitas partes do país, e a unidade especial nacional de segurança, a Divisão de Investigações Gerais e Operações Especiais (DIGOS), está a trabalhar com as autoridades policiais de várias cidades para identificar mais pessoas envolvidas no evento.

Confrontado com o episódio de domingo, o ministro do Interior, Matteo Piantedosi, disse compreender a indignação perante "a utilização de gestos e símbolos condenados pela história", mas defendeu a gestão das forças da ordem, durante uma audição perante a comissão parlamentar sobre a intolerância.

Outro membro do governo a pronunciar-se foi o ministro da Defesa, Guido Crosetto, que, questionado sobre se distanciava do sucedido, limitou-se a dizer que sempre se afastou "de qualquer manifestação que recordasse regimes passados".

A controvérsia já passou fronteiras, tendo na terça-feira o alemão Manfred Weber, líder do Partido Popular Europeu (PPE) -- a maior família política europeia, à qual pertence o Força Itália de Tajani --, enfatizado que "não há lugar na Europa para a saudação fascista", que o PPE condena "com toda a veemência".

A comemoração da Acca Larentia também reavivou o debate sobre a existência de monumentos da era fascista em várias cidades do país, designadamente Roma, que tem, entre outros monumentos, um monólito no Foro Itálico onde se pode ler "Mussolini Dvx".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sara
    11 jan, 2024 Lisboa 08:34
    Abram os olhos e vejam o que está a acontecer na Suécia, os que vem lá de fora apesar de esforços e subsídios para integração estão a provocar o caos, sem respeito, são pessoas com ideologias vincadas, nunca vão mudar , a vida humana para eles não tem valor, fechem as portas

Destaques V+