Tempo
|
A+ / A-

Guerra Israel-Hamas

Portugal pede a Israel que autorize mais pontos de entrada de ajuda em Gaza

25 nov, 2023 - 18:02 • Lusa

João Gomes Cravinho defende que existem outras possibilidades já preparadas, em muito maior escala, para deixar entrar ajuda humanitária no território.

A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, apelou este sábado a Israel para que permita aumentar os pontos de entrada de ajuda na Faixa de Gaza, onde se vive "uma emergência humanitária".

"Estamos perante uma emergência humanitária. É absolutamente essencial que haja mais capacidade para que a ajuda possa entrar em Gaza, a fim de aliviar o sofrimento humano" daquela população, defendeu este sábado o chefe da diplomacia portuguesa, no final de um encontro com o seu homólogo egípcio, Sameh Shoukry, no âmbito de uma visita conjunta que realizou ao Médio Oriente com a ministra dos Negócios Estrangeiros eslovena, Tanja Fajon.

Gomes Cravinho defendeu a necessidade de "alargar o número de pontos de entrada".

"Neste momento, tudo entra pela passagem de Rafah [sul da Faixa, na fronteira com o Egito], que é uma passagem prioritariamente destinada veículos ligeiros, enquanto ao lado há outras possibilidades já preparadas, para mercadoria, com muito maior escala", indicou.

"Fazemos esse apelo, sobretudo a Israel, que tem a chave da questão, que permita mais acesso humanitário, porque a população de Gaza - aqueles que sobreviveram, porque houve muitos mortos - está atualmente numa situação de penúria. Está a aproximar-se o inverno, há necessidade absoluta de garantir condições de vida minimamente condignas à população de Gaza", sublinhou o chefe da diplomacia portuguesa.

Quando se cumpre o segundo dia de trégua nos combates na Faixa de Gaza, acordada entre Israel e o grupo palestiniano Hamas, entram cerca de 200 camiões por dia no território.

"Contudo, precisamos de muito mais, porque nas últimas semanas a população de Gaza tem tido pouquíssimo acesso à ajuda humanitária", comentou, reiterando a necessidade de prolongar o cessar-fogo, atualmente com uma duração prevista de quatro dias.

Gomes Cravinho insistiu ainda num "ponto consensual" a nível da União Europeia: "É fundamental que a população de Gaza não seja forçada a sair de Gaza, não deve haver deslocação da população para fora de Gaza", sublinhou.

A deslocação dos dois ministros europeus ao Egito incluiu ainda um encontro com o Presidente Abdel Fattah el-Sisi, culminando uma visita de dois dias que passou antes por Israel, Palestina e Jordânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+