Tempo
|
A+ / A-

MNE: “Cessar-fogo deve ser pedra fundacional para construir a paz”

24 nov, 2023 - 08:54 • Olímpia Mairos , com redação

Chefe da diplomacia portuguesa encontra-se a esta hora com homologo israelita. Vai sinalizar a solidariedade portuguesa perante a brutalidade do ataque de 7 de outubro e, ao mesmo tempo, apelar ao respeito pelas populações civis.

A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, acredita que pode estar aberta uma janela de esperança para a paz no Médio Oriente.

O chefe da diplomacia portuguesa está a fazer, entre hoje e amanhã, um périplo diplomático com paragens em Israel, Palestina, Jordânia e Egito. E na última hora deixou o apelo para que o cessar-fogo humanitário para a libertação de reféns seja um primeiro passo para a paz na região.

“Estamos numa situação em que houve um nível absolutamente incomportável de vítimas civis, em Gaza, que é absolutamente fundamental que o cessar-fogo temporário humanitário que se vive desde há poucas horas, que deve ter continuidade, que deve ser uma pedra fundacional para a partir daí, começarmos a construir a paz”, defendeu em declarações à RTP.

A esta hora, o chefe da diplomacia portuguesa está reunido com o seu homólogo israelita. Gomes Cravinho vai sinalizar a solidariedade portuguesa perante a brutalidade do ataque de 7 de outubro e, ao mesmo tempo, apelar ao respeito pelas populações civis.

Israel e o Hamas chegaram a um acordo para um cessar-fogo de quatro dias, que permitirá a libertação de 50 reféns que as milícias islamitas mantêm dentro da Faixa de Gaza, em troca da libertação de 150 prisioneiros palestinianos. Em ambos os casos, são mulheres e menores.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, garantiu esta quinta-feira que a trégua em Gaza "será breve" e que, assim que terminar, os combates dentro do enclave serão retomados "com intensidade" durante pelo menos mais dois meses.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+