A+ / A-

Associação Luso-Israelita apela a libertação de todos os reféns além dos 24 iniciais

24 nov, 2023 - 19:06 • Lusa

A associação civil independente reagiu à libertação dos 24 reféns do Hamas, entre eles 13 cidadãos israelitas - que já se encontram em Israel - 10 tailandeses e um filipino.

A+ / A-

A Aliados - Associação Luso-Israelita reagiu esta sexta-feira com "emoções contraditórias" à libertação de 24 reféns retidos desde 7 de outubro pelo Hamas, celebrando o regresso a casa de cidadãos inocentes, mas expectante com a libertação dos restantes.

A associação civil independente reagiu, num comunicado enviado à agência Lusa, à libertação dos 24 reféns do Hamas, entre eles 13 cidadãos israelitas - que já se encontram em Israel - 10 tailandeses e um filipino.

"Nos últimos 50 dias, desde o ataque brutal pela organização terrorista Hamas contra civis israelitas, a Aliados, enquanto associação luso-israelita, tem estado empenhada em sensibilizar os portugueses em geral e os líderes portugueses em particular para a libertação dos 240 reféns - crianças, mulheres, homens, jovens e idosos", lê-se no documento.

"Por um lado, celebramos o regresso destes cidadãos inocentes e aguardamos com expectativa a libertação da totalidade das 50 crianças e mulheres israelitas nos próximos quatro dias, conforme estipulado no acordo. Por outro lado, enfatizamos a necessidade premente de continuar os esforços para garantir a libertação de todos os reféns", acrescentou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, confirmou a libertação, pelo grupo islamita Hamas, de uma refém com nacionalidade portuguesa.

Adina Moshe, 72 anos, é uma de 24 reféns libertados até agora, de acordo com as autoridades israelitas, no primeiro dia de trégua em Gaza.

"Efetivamente tínhamos a esperança, não queríamos falar muito do assunto. Tínhamos esperança e confirma-se que saiu", comentou o chefe da diplomacia portuguesa, que hoje realiza uma visita a Israel e Cisjordânia.

Para a Aliados, 180 civis inocentes vão, "infelizmente, permanecer nas mãos do grupo terrorista, que ceifou brutalmente as vidas de familiares e amigos" durante o ataque de 07 de outubro. .

"Muitos dos reféns testemunharam o assassínio de mães, pais, irmãos, avós ou amigos e foram depois raptados. A situação é particularmente delicada, pois, mesmo com algumas famílias a reencontrarem-se, outras continuam separadas. Temos cenários em que mães e crianças voltam a casa, mas o pai fica refém, ou os avós ficam para trás, jovens que não voltam para os seus pais ou idosos a precisar de cuidados que continuam reféns", sustenta a associação.

A associação saúda a intervenção da Cruz Vermelha para atender às necessidades humanitárias dos reféns. .

"É um aspeto crucial deste acordo, considerando as condições desumanas em que foram mantidos, sem acesso a tratamento médico ou medicamentos vitais e sem termos quaisquer informações sobre o seu estado", acrescenta a associação.

"Expressamos a nossa gratidão pelo ato de solidariedade do governo português, destacando a visita do Ministro dos Negócios Estrangeiros a Israel e à sede que representa as famílias dos reféns. Esperamos que esse gesto inspire mais líderes a se manifestarem e a exigirem a libertação de todos os reféns", refere a Aliados.

O grupo islamita do Hamas lançou em 07 de outubro um ataque surpresa contra o sul de Israel com o lançamento de milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados, fazendo mais de duas centenas de reféns. .

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas, movimento que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e que é classificado como terrorista pela União Europeia e Estados Unidos, bombardeando várias infraestruturas do grupo na Faixa de Gaza e impôs um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+