A+ / A-

Guerra Israel-Hamas

Atriz principal da saga "Gritos" despedida por publicações pró-Palestina consideradas "antissemitas"

22 nov, 2023 - 22:20 • João Malheiro

Noutra publicação, a atriz questionou porque é que era tão difícil encontrar videos e informação "sobre o lado palestiniano". Tem havido pressões na indústria de Cinema a quem expressa opiniões contra Israel e de apoio à Palestina, na sequência do escalar do conflito no Médio Oriente, a 7 de outubro.

A+ / A-

A atriz Melissa Barrera, uma das atrizes principais dos filmes "Gritos" (2022) e "Gritos 6" (2023) foi despedida da próxima sequela da saga, na sequência da publicação de opiniões pró-Palestina que foram consideradas "antissemitas" pela produtora Spyglass.

De acordo com a "Variety", Melissa Barrera partilhou no seu Instagram várias publicações pró-Palestina e escreveu que "também vim de um país colonizado. A Palestina será livre", aludindo à sua nacionalidade mexicana.

Noutra publicação, a atriz questionou porque é que era tão difícil encontrar videos e informação "sobre o lado palestiniano".

"Porque os média ocidentiais só mostram um lado. Porque é que eles fazem isto, eu deixo à vossa interpretação", disse.

"Censura é real. Os palestinianos sabem que o mundo tem tentado que eles sejam invisíveis há décadas", acrescentou num story do Instagram.

Segundo a Spyglass, que produz os filmes da saga "Gritos", estes comentários foram percecionados como antissemitas e "incitamento ao ódio".

"Não aceitados falsas referências a genocídio ou limpeza étnica, distorção do que é o Holocausto ou algo que pise a linha de discurso de ódio", referiu um porta-voz da produtora à "Variety".

Já esta quarta-feira, a "Deadline" relata que Jenna Ortega, outra das atrizes principais das novas sequelas que também já fez publicações pró-Palestina, abandonou a produção do próximo "Gritos", por conflitos de agenda com outros projetos. No entanto, o próximo filme da saga ainda não tem argumento escrito nem uma produção agendada.

Hollywood vive momento de tensão

Segundo reportou esta terça-feira a "Variety", tem havido pressões na indústria de Cinema a quem expressa opiniões contra Israel e de apoio à Palestina, na sequência do ataque do Hamas, a 7 de outubro.

A atriz Susan Sarandon perdeu o agenciamento da empresa UTA Agency, depois de ter marcado presença em marchas de apoio à Palestina e de ter partilhado uma publicação de Roger Waters a criticar Israel.

Já na Creative Artists Agency, a agente Maha Dakhil perdeu o seu cargo na empresa depois de ter dito que estava a "assistir à negação de genocídio, enquanto acontece", referindo-se aos ataques de Israel em Gaza. De acordo com a "Variety", Dakhil conseguiu manter-se como agente, depois de um dos seus clientes mais influentes, Tom Cruise, ter intervido e mostrado o seu apoio em pessoa.

O produtor Marc Platt, responsável por filmes como "La La Land" e "Ponte de Espiões", pressionou a agência WME para deixar de trabalhar com Boots Riley, realizador do filme "Sorry to Bother You" e ativista, depois de publicações do artista a apelar ao boicote de visionamentos dos ataques do Hamas a 7 de outubro, classificando as imagens de "propaganda homicída".

Em resposta, Boots Riley escreveu nas redes sociais que "está bem e está certo".

"Aquele artigo da Variety só quer assustar as pessoas a serem silenciosas. Não deixem que eles vos assustem", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+