Tempo
|
A+ / A-

Suíça

Doente com Parkinson volta a andar graças a implante na coluna

08 nov, 2023 - 14:20 • Redação

Marc fala num “renascimento” que hoje lhe permite caminhar vários quilómetros sem cair.

A+ / A-

Aos 63 anos, Marc tornou-se esta semana o primeiro doente com Parkinson em estado avançado a receber um implante espinhal que restaurou a sinalização normal da coluna para os músculos das pernas, segundo avança o The Guardian.

Diagnosticado com a doença degenerativa há mais de 20 anos, Marc, oriundo de Bordéus, em França, sofria de graves problemas de mobilidade, incluindo dificuldades de equilíbrio e congelamento da marcha. Depois do implante, passou a andar com mais normalidade e recuperou a independência de movimentos.

“Não conseguia mais andar sem cair com frequência, várias vezes ao dia. Agora não tenho mais medo de escadas. Todos os domingos vou ao lago e caminho cerca de seis quilómetros. É incrível."

O implante ainda não foi testado num ensaio clínico completo. No entanto, a equipa científica do Hospital Universitário CHUV Lausanne, na Suíça, espera que a sua tecnologia possa oferecer uma abordagem inteiramente nova para o tratamento de défices de movimento em pessoas com doença de Parkinson.

“É impressionante ver como, ao estimular eletricamente a espinal medula de maneira direcionada, da mesma forma que fizemos com pacientes paraplégicos, podemos corrigir distúrbios de marcha causados pela doença de Parkinson”, diz a neurocirurgiã e professora universitária Jocelyne Bloch, que co-liderou o trabalho.

A doença de Parkinson é causada pela perda progressiva de neurónios produtores de dopamina. Os tratamentos convencionais, como o medicamento Levodopa, podem melhorar os sintomas, mas não conseguem restaurar completamente os movimentos normais. O implante visa superar o medicamento, atuando diretamente na área da coluna responsável pela ativação dos músculos das pernas durante a caminhada.

Primeiro, a equipa desenvolveu um mapa anatómico personalizado da espinal medula de Marc e identificou os locais exatos que estavam envolvidos na sinalização para as pernas se moverem. Foram então implantados elétrodos nessas zonas, permitindo a estimulação direta da coluna.

“Em nenhum momento [o paciente] é controlado pela máquina”, explicou o professor Eduardo Martin Moraud, do hospital universitário de Lausanne. “Está apenas a melhorar a sua capacidade de andar.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+