A+ / A-

Borrell reconhece "falhanço político e moral" que agravou conflito israelo-palestiniano

06 nov, 2023 - 10:23 • Lusa

O chefe da diplomacia europeia reconhece que "a tragédia humanitária em Gaza não tem precedentes" e disse que os "melhores amigos de Israel" têm de transmitir a Telavive que "não pode estar cega pela raiva".

A+ / A-

O alto-representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros reconheceu esta segunda-feira que o agravamento do conflito israelo-palestiniano é "resultado de um falhanço político e moral coletivo" e que nada foi feito para o resolver realmente.

"A tragédia que está a desenrolar-se no Médio Oriente é o resultado de um falhanço político e moral coletivo, e as populações israelita e palestiniana estão a pagar um preço alto por isso. Este falhanço político e moral é resultado da nossa falta de vontade para resolver o problema israelo-palestiniano", disse Josep Borrell, na abertura de uma conferência com embaixadores, em Bruxelas.

"Sim... Comprometemo-nos formalmente com a solução dos dois Estados, mas sem um plano credível para atingir esse objetivo. A substância do problema israelo-palestiniano não é religiosa ou étnica. É um problema de duas populações que têm o mesmo direito a viver no mesmo território, por isso, precisam de partilhá-lo", acrescentou o chefe da diplomacia europeia.

Contudo, hoje "não há condições para a partilha" e não há solução.

"Ou melhor, havia. Lembram-se de Oslo? Há 30 anos? Tínhamos isso, mas não o implementámos de todo! A violência aumentou, os números são dramáticos. É demasiado... O que é que aconteceu?", questionou Josep Borrell, perante os embaixadores dos 27 Estados-membros da UE.

O chefe da diplomacia europeia reconheceu que há culpados dos dois lados: "Do lado israelita, as forças extremistas na Cisjordânia querem acabar com o problema palestiniano através da submissão e exílio e na Cisjordânia o Hamas não está presente".

E citando o antigo Presidente norte-americano Barack Obama, o alto-representante da UE para os Negócios Estrangeiros recordou que a "estratégia militar de Israel tem de obedecer à lei internacional, incluindo a que procura evitar a morte e sofrimento das populações".

"Ignorar o custo humano pode fazer ricochete", comentou.

Josep Borrell reconheceu que "a tragédia humanitária em Gaza não tem precedentes" e disse que os "melhores amigos de Israel" têm de transmitir a Telavive que "não pode estar cega pela raiva", utilizando uma expressão utilizada pelo atual Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

A destruição do movimento islamista Hamas "não vai resolver o problema em Gaza", advertiu.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+