A+ / A-

Gaza. 242 pessoas foram sequestradas pelo Hamas a 7 de outubro

02 nov, 2023 - 12:10 • Lusa

O número é avançado pelo exército israelita, mas não é definitivo, uma vez que as investigações continuam.

A+ / A-

O exército israelita elevou esta quinta-feira para 242 o número oficial de pessoas sequestradas nos ataques terroristas de sete de outubro pelo grupo islamita palestiniano Hamas contra Israel, em que morreram mais de 1.400 pessoas.

Numa conferência de imprensa, o porta-voz militar israelita, contra-almirante Daniel Hagari, disse que o exército notificou as famílias de 242 reféns que estão atualmente detidos na Faixa de Gaza.

Hagari sublinhou que o número de sequestrados ainda não é definitivo, uma vez que o exército continua a investigar o paradeiro de algumas pessoas que foram dadas como desaparecidas.

O número de 242 de sequestrados não inclui os quatro reféns libertados: Judith e Natalie Ra'anan, mãe e filha com dupla nacionalidade israelita-americana, as idosas israelitas Yocheved Lifshitz e Nurit Cooper e o soldado Ori Megidish, que terá sido resgatado pelo exército no domingo à noite.

O movimento islamita palestiniano Hamas afirmou no dia 27 de outubro que não fará distinção entre reféns israelitas ou de outras nacionalidades em possíveis libertações futuras.

Pelo menos 247 pessoas foram feitas reféns a sete de outubro pelo Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e é considerado terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia, após o ataque surpresa contra o sul de Israel com o lançamento de milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas bombardeando várias infraestruturas do grupo na Faixa de Gaza e impôs um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

O conflito já provocou milhares de mortos e feridos, entre militares e civis, nos dois territórios.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+