Tempo
|
A+ / A-

​ONG Oxfam defende imposto sobre ricos nos países pobres

09 out, 2023 - 06:35 • Lusa

A organização não-governamental critica estas instituições por encorajarem os países em dificuldades a cortar na despesa pública, despedir funcionários públicos e concentrarem-se no pagamento da dívida externa.

A+ / A-

Mais de metade dos países mais pobres vão ter de reduzir a despesa pública nos próximos cinco anos devido ao aumento dos juros sobre a dívida, alertou a organização Oxfam, sugerindo um imposto sobre fortunas.

Num estudo publicado, a organização humanitária refere que atualmente os países de rendimento baixo e médio-baixo serão obrigados a pagar quase 500 mil milhões de dólares (434 mil milhões de euros) por dia em juros e amortizações da dívida até 2029.

Para cumprir os compromissos, terão de fazer cortes na despesa em 229 mil milhões de dólares (217 mil milhões de euros), calculou.

A Oxfam lamenta que estes países, onde vivem 2,4 mil milhões de pessoas, gastem quatro vezes mais a pagar dívidas aos países credores do que em cuidados de saúde.

No dia em que começam as reuniões anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Marraquexe, a organização não-governamental critica estas instituições por encorajarem os países em dificuldades a cortar na despesa pública, despedir funcionários públicos e concentrarem-se no pagamento da dívida externa.

"O Banco Mundial e o FMI estão a regressar a África, pela primeira vez em décadas, com a mesma velha mensagem falhada", lamentou o Diretor Executivo interino da Oxfam International, Amitabh Behar.

A organização disse ter analisado 27 programas de empréstimo negociados com países de baixo e médio rendimento desde 2020 e concluiu que o FMI encorajou os governos a cortar seis vezes mais o valor orçamentado em serviços públicos.

"O FMI está a forçar os países mais pobres a uma dieta de fome de cortes na despesa, aumentando a desigualdade e o sofrimento", referiu Behar.

Em vez de mais políticas de austeridade e mais endividamento, a Oxfam defende a tributação de 5% sobre fortunas superiores a cinco milhões de dólares.

Este imposto sobre os ricos permitiria ao Egito duplicar as despesas com os cuidados de saúde, à Jordânia duplicar o orçamento para a educação e ao Líbano aumentar sete vezes as despesas com os cuidados de saúde e a educação.

Só Marrocos poderia angariar 1,22 mil milhões de dólares, numa altura em que enfrenta uma fatura de reparação de 11,7 mil milhões de dólares, devido ao recente e devastador terramoto, avançou a Oxfam.

"O FMI e o Banco Mundial devem permitir que os governos prossigam políticas económicas que redistribuam os rendimentos e invistam em bens públicos para reduzir drasticamente o fosso entre os ricos e os restantes", defendeu Behar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+