Tempo
|
A+ / A-

Vacinação Covid-19

Nobel da Medicina. Tecnologia mRNA é uma “revolução completa”

02 out, 2023 - 13:44 • Redação

O prémio Nobel da Medicina 2023 foi para Katalin Karikó e Drew Weissman, que permitiram o desenvolvimento de vacinas eficazes de ARN mensageiro contra a Covid-19.

A+ / A-

O prémio Nobel da Medicina 2023 vai para Katalin Karikó e Drew Weissman, que permitiram o desenvolvimento de vacinas eficazes de mRNA contra a covid-19.

O prémio foi anunciado esta segunda-feira em Estocolmo, na Suécia, pelo Comité do Prémio Nobel no Instituto Karolinsk

“Estes dois investigadores já eram altíssimos candidatos para receber o prémio Nobel pelos resultados positivos que se observaram ao usar de uma forma global e maciça as vacinas de ARN mensageiro durante a pandemia”, diz à Renascença Maria-Carmo Fonseca, presidente do Instituto de Medicina Molecular (IMM) da Universidade de Lisboa e professora catedrática na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Contributo dos laureados

Maria-Carmo Fonseca conta que Katalin Karikó teve a ideia de usar a molécula do ARN mensageiro para levar informação para as células de uma forma que pudesse ser utilizada como tratamento há muitos anos. Desde os anos 90 que a cientista galardoada trabalha nesta temática.

Por outro lado, Dario Weissmann estava “muito interessado” em desenvolver novas formas de produzir vacinas melhores. Foi aí que Karikó e Weissman se encontraram, juntaram o útil ao agradável e tiveram a ideia de começar a explorar o ARN mensageiro para fazer vacinas.

“O papel da Karikó foi absolutamente decisivo porque ela descobriu modificações químicas que introduziu na molécula e que a permitiu ser utilizada de forma terapêutica”, explica a presidente do IMM.

“Até lá, quando se usava a molécula de ARN convencional, a molécula era simplesmente destruída ou provocava uma série de efeitos adversos quando injetada em animais de laboratório.”

Um enorme impacto

Com a pandemia da Covid-19, foi possível, “de uma forma muito rápida, fazer um grande ensaio clínico a nível global e administrar esta nova formulação de vacinas a um grande número de pessoas e os resultados foram o que todos conhecemos”.

“Este tipo de vacina superou as elaboradas com as tecnologias convencionais e, portanto, abriu caminho para novas vacinas serem feitas com a mesma tecnologia”, destaca Maria-Carmo Fonseca.

Em relação à tecnologia convencional, a utilização do ARN mensageiro tem duas grandes vantagens: “é possível produzir a vacina de uma forma muito rápida e o ARN mensageiro mostrou ser muito seguro tendo muito menos efeitos adversos que outras formas de administrar a vacina”.

A professora universitária conta que existem, de momento, múltiplos ensaios clínicos com vacinas de mRNA “não apenas para agentes infecciosos mas para o cancro e mesmo para outras doenças, nomeadamente do foro autoimune, já em fases avançadas”.

Maria-Carmo Fonseca antevê “uma revolução completa na capacidade de tratar doenças que afetam muita gente, que não existia até agora”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+