Tempo
|

35,42%
47 Deputados
25,24%
28 Deputados
9,05%
7 Deputados
6,37%
3 Deputados
4%
1 Deputados
3,09%
1 Deputados
1,38%
0 Deputados
1,25%
0 Deputados
1,11%
0 Deputados
5,15%
5 Deputados
  • Freguesias apuradas: 2495 de 3092
  • Abstenção: 45,06%
  • Votos Nulos: 5,44%
  • Votos em Branco: 2,48%

Total esquerda: 57Mandatos
Pan: 1Mandatos
Total direita: 34Mandatos
A+ / A-

major-general Carlos Branco

Talibãs aproveitaram "de forma magistral" ligações aos líderes tribais

16 ago, 2021 - 15:16 • Ana Carrilho , com Hélio Carvalho

O militar português e ex-porta-voz da International Security Assistance Force acrescenta que a tomada de poder dos extremistas foi acelerada pelo "abandono de grandes partes do território" pelo Governo afegão.

A+ / A-

A rapidez e facilidade como o poder no Afeganistão caiu nas mãos dos talibãs apanhou todos de surpresa, diz à Renascença o ex-porta voz da International Security Assistance Force, o major-general Carlos Branco.

O especialista aponta duas razões para que tudo tenha sido tão rápido: por um lado, as ligações dos talibãs aos chefes tribais, que facilitaram a influência junto de governadores e unidades.

"A forma inteligente que eles [os talibãs] utilizaram para o fazer, praticamente sem combates, significou explorar de forma magistral o poder que os líderes tribais têm, que é uma rede que eles dominam e conhecem profundamente, e através desses líderes tribais conseguiram que fossem os próprios a exercer influência e alavancagem sobre os setores da vida de determinados distritos, junto das autoridades e dos governadores dessas províncias", explica Carlos Branco.

Com talibãs no Palácio Presidencial, centenas invadem o aeroporto de Cabul para fugir do país
Com talibãs no Palácio Presidencial, centenas invadem o aeroporto de Cabul para fugir do país

A outra razão prende-se com as divisões internas e a ineficácia do governo afegão, deixando muitas populações e territórios abandonados, que os talibãs aproveitaram, diz o militar português.

"Recentemente, houve uma remodelação governamental e essa remodelação teve como consequência colocar indivíduos alinhados tribalmente e etnicamente com o presidente. Outra consequência foi o abandono de grandes partes do território, que se sentiram relegados para segundo plano, abandonados pelo Governo, e os talibãs aproveitaram para transportar o apoio e a vontade dessas pessoas para concretizarem os seus objetivos", acrescentou.

O major-general Carlos Branco considera que a fuga do Presidente Ashraf Gahni não se justificaria. Segundo o militar, Gahni avaliou mal a situação, até porque estes talibãs são diferentes dos de há 20 anos e vão fazer tudo para conseguir o reconhecimento internacional.

Aponta Carlos Branco que "este movimento dos talibãs é algo diferente daquilo que era há 20 anos", porque "são indivíduos mais maduros do ponto de vista político". "Com isto não quer dizer que tenham feito cedências no campo ideológico, mas falo fundamentalmente a nível da tática e da estratégia política".

O militar português considera que é errado e injusto atribuir qualquer culpa pelos acontecimentos ao Presidente americano, Joe Biden. Além das divisões no governo afegão, foi o seu antecessor, Donald Trump, quem decidiu abandonar o país.

Carlos Branco diz entender porquê: o combate ao terrorismo deixou de ser uma prioridade para os Estados Unidos.

"O Afeganistão entretanto tornou-se numa liability já estratégica e o terrorismo deixou de ser prioritário na hierarquia das ameaças consideradas identificadas pelos Estados Unidos, que foi substituído pela China e pela Rússia. Os EUA percebem que faz sentido que desinvistam no terrorismo para assumirem as suas responsabilidades para confrontar outros desafios que consideram mais importantes", analisa o major-general.

Na opinião do major-general Carlos Branco, a paz e estabilidade no Afeganistão interessam a todos, mas sobretudo ao povo afegão. Mas quanto ao futuro, para já, tudo é especulação. É preciso esperar para ver qual o que é que os talibãs vão fazer. Dificil não é conquistar o poder, mas sim mantê-lo.

O militar que esteve no Afeganistão diz que também é preciso saber o que vai acontecer ao Estado Islâmico, uma força de oposição aos talibãs, se se junta aos talibãs ou se vai continuar a ser um fator de instabilidade no país. Para Carlos Branco é uma questão a seguir com muita atenção.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou esta segunda-feira que dos 16 civis portugueses que estavam no Afeganistão, 12 já saíram do país e quatro continuam em funções operacionais no aeroporto de Cabul.

Boa parte dos países ocidentais como os Estados Unidos, Alemanha e França estão a retirar os seus cidadãos do Afeganistão com aviões militares.

Um dia depois dos talibãs tomarem o poder no Afeganistão, o Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se de emergência. E o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já pediu uma reunião da NATO, para sexta-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    17 ago, 2021 Funchal 10:56
    São estudantes, logo espertos. O Ocidental anda a dormir acordado e uma doutora portuguesa veio dizer que os EUA estão mais à frente, na inteligência digital? Os talibãs não precisam disso para derrotar o tio sam. Nem para a Covid-19 essa inteligência serviu. O Stayaway covid e outras cenas, falharam em toda a linha.
  • Cidadao
    17 ago, 2021 Lisboa 09:21
    Se aquela Sociedade rejeitasse verdadeiramente os Talibãs, estes nunca conseguiriam retomar o País e muito menos em 10 dias e quase sem combates. A população em massa agarrava em armas e faria frente aos "estudantes de teologia". A verdade que custa a aceitar é que 2/3 dos Afegãos não se importam em viver no obscurantismo medieval. E contra isso, tentativas de "democratização" e ocupações militares são inúteis, a não ser que sejam perpétuas com os custos que isso acarreta. O Ocidente que saia do Afeganistão mas mantenha esse País em vigilância. O País e os tipos que de lá saem para vir para cá.

Destaques V+