Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Sismo no Haiti fez mais 1.290 mortos

16 ago, 2021 - 06:55 • Lusa

Milhares de pessoas ficaram desalojadas no sudoeste do país, onde prosseguem os esforços para encontrar sobreviventes.

A+ / A-
Sismo já fez mais de 1.290 mortos e 5.700 feridos no Haiti
Sismo já fez mais de 1.290 mortos e 5.700 feridos no Haiti

O balanço provisório do sismo de magnitude 7,2 que atingiu no sábado o sudoeste do Haiti aumentou para 1.297 mortos e mais de 5.700 feridos, segundo os serviços de proteção civil do país.

Além das pessoas dadas como desaparecidas, “muitas outras estão sob os escombros”, sublinhou em comunicado a Proteção Civil, precisando que perto de 3.200 feridos foram internados em diversos hospitais.

Milhares de pessoas ficaram desalojadas no sudoeste do país, onde prosseguiram no domingo, entre habitantes e equipas de resgate, os esforços para encontrar sobreviventes por entre os escombros, com meios limitados e ainda sob o efeito de réplicas do forte sismo.

Maquinaria pesada, vários camiões e retroescavadoras estavam ocupados a deslocar placas de betão dos edifícios destruídos na cidade de Cayes, perto do epicentro do sismo, a cerca de 160 quilómetros da capital haitiana, Port-au-Prince, constatou a agência noticiosa francesa AFP no local.

O terramoto, que também foi sentido na República Dominicana (com a qual o Haiti divide a ilha de Hispaniola) e em Cuba, e que já faz parte dos dez sismos mais letais dos últimos 25 anos na América Latina, ocorreu às 8h29 (13h29 de Lisboa), a cerca de 12 quilómetros da cidade de Saint-Louis-du-Sud, situada a 160 quilómetros da capital haitiana, Port-au-Prince, com epicentro a 10 quilómetros de profundidade, segundo dados do Instituto Norte-Americano de Geofísica (USGS).

Perto de 30.000 casas ficaram destruídas ou danificadas.

As operações de resgate das vítimas poderão, entretanto, ver-se comprometidas pela aproximação da tempestade tropical Grace, com um risco de chuvas torrenciais e de inundações rápidas, segundo o serviço nacional de meteorologia dos Estados Unidos.

Profissionais e medicamentos foram já encaminhados pelo Ministério da Saúde para a península sudoeste, mas a logística de emergência está também em perigo devido à insegurança que mina o Haiti desde há meses.

O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, que decretou o estado de emergência nos quatro departamentos afetados pela catástrofe, já agradeceu à comunidade internacional.

O país guarda na memória o sismo de 12 de janeiro de 2010, com magnitude 7, que destruiu a capital e várias cidades de província. Mais de 220.000 pessoas morreram e mais de 300.000 ficaram feridas na catástrofe que deixou desalojados mais de 1,5 milhões de haitianos, colocando as autoridades e a comunidade internacional perante o colossal desafio de reconstrução de um país sem registo de propriedade de terras ou regras de construção.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+