Tempo
|

35,42%
47 Deputados
25,24%
28 Deputados
9,05%
7 Deputados
6,37%
3 Deputados
4%
1 Deputados
3,09%
1 Deputados
1,38%
0 Deputados
1,25%
0 Deputados
1,11%
0 Deputados
5,15%
5 Deputados
  • Freguesias apuradas: 2495 de 3092
  • Abstenção: 45,06%
  • Votos Nulos: 5,44%
  • Votos em Branco: 2,48%

Total esquerda: 57Mandatos
Pan: 1Mandatos
Total direita: 34Mandatos
A+ / A-

Afeganistão

Ataque final. Talibãs chegam a Cabul e Presidente deverá abdicar

15 ago, 2021 - 09:18 • Marta Grosso com agências

Os rebeldes chegaram à capital afegã, a última grande cidade que lhes faltava tomar no país. EUA aceleram retirada de pessoal da embaixada.

A+ / A-

Era a capital que faltava. Os talibãs chegaram, nesta manhã de domingo, a Cabul. Estão a entrar “por todos os lados”, avançava o ministro do Interior afegão citado pela agência Reuters. Mas, depois das primeiras incursões mais violentas, os guerrilheiros pararam.

“O Emirado Islâmico ordena a todas as suas forças que esperem às portas de Cabul, que não tentem entrar na cidade", afirmou no Twitter Zabihullah Mujahid, um porta-voz dos talibãs.

O objetivo é iniciar negociações para uma transição pacífica de poder, como foi anunciado na mesma rede social, quer pelos rebeldes quer pelo ministro do Interior, Abdul Sattar Mirzakwal.


As negociações já terão começado e, segundo a “Al Arabya”, o Presidente do Afeganistão deverá abdicar do poder nas próximas horas. As conversações decorrem no palácio presidencial em Cabul, aonde deverá chegar em breve Mullah Baradar, o co-fundador do movimento talibã.

Antes, e segundo a BBC, o Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, tinha entrado em contacto com o enviado dos EUA, Zalmay Khalilzad, e outros representantes da NATO.

E, ainda antes, numa publicação no Twitter, Ghani garantia que “a situação está sob controlo”.

“As forças de segurança e defesa do país estão a trabalhar em conjunto com parceiros internacionais para garantir a segurança da cidade. A situação está sob controlo”, escreveu.


No sábado, no primeiro discurso nacional desde a incursão talibã pelo país, o chefe de Estado admitia que o país corria "sério perigo".

Ashraf Ghani está agora sob crescente pressão para renunciar.

No terreno, os guerrilheiros talibã terão recebido ordens para permitir a passagem de quem quiser sair, mas a prática revela algumas dificuldades, segundo revela uma deputada afegã à BBC. As opções são escassas.

“Não sei, eles não podem ir para lugar algum, não sobrou nenhum lugar”, diz Farzana Kochai, acrescentando que algumas pessoas se dirigiram para o aeroporto para apanharem voos para a Índia ou qualquer país vizinho.

Contudo, os voos parecem estar lotados, de acordo com relatos de amigos de Kochai, “e nós estamos presos aqui”.

Segundo a mesma fonte, foi ainda pedido às mulheres que se dirigissem para as áreas protegidas.

EUA aceleram retirada

Face à aproximação dos talibãs, os Estados Unidos aceleram a retirada de pessoal da embaixada e os funcionários das instituições europeias também buscam segurança. Segundo fonte da NATO no terreno, os trabalhadores ocidentais mudaram-se para locais seguros.

A Associated Press relatava, nesta manhã, que estava em curso a evacuação da embaixada norte-americana na capital afegã, com helicópteros e viaturas blindadas a retirar funcionários diplomáticos. Era ainda visível fumo proveniente da queima de documentos.

Segundo autoridades norte-americanas citadas pela agência Reuters, os diplomatas estão a ser transportados para o aeroporto da embaixada no distrito fortificado de Wazir Akbar Khan.

Uma vez tomada a capital, o Afeganistão entra nas mãos dos talibãs em apenas dez dias, depois de os Estados Unidos terem iniciado a retirada do país.

Restava Cabul, depois de, durante a madrugada, ter sido tomada a cidade de Jalalabad, no Leste do país.

Segundo a deputada Farzana Kochai, nos outros locais onde os talibãs já assumiram o controlo, as mulheres deixaram de ir para o trabalho ou para a escola.

“Para as mulheres a situação é pior do que se esperava. As mulheres vão ficar presas em casa, é o que eu acho que vai acontecer. Mas vamos ver se muda”, acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+