Tempo
|
A+ / A-

Brasil

Aliado de Bolsonaro detido em operação contra notícias falsas

13 ago, 2021 - 15:51 • Lusa

Líder do Partido Trabalhista Brasileiro detido por ordem do Supremo Tribunal Federal.

A+ / A-

A polícia brasileira deteve esta sexta-feira Roberto Jefferson, líder do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e aliado do Presidente do país, Jair Bolsonaro, numa investigação sobre grupos digitais que divulgam notícias falsas.

A prisão de Jefferson, que foi deputado federal e participa da política brasileira desde 1970, foi autorizada pelo magistrado do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes a pedido da Polícia Federal (PF) e não tem prazo para ser revogada.

O ex-deputado foi preso na cidade de Levy Gasparian, localizada no interior do estado brasileiro do Rio de Janeiro.

A investigação começou em 2019 limitada à divulgação de notícias falsas disseminadas pela Internet, mas recentemente se concentrou na possível existência do que tem sido descrito como grupos "digitais antidemocráticos" que defendem ideias de extrema-direita e também o atual Governo brasileiro.

Entre os investigados nesse processo está o próprio Presidente Bolsonaro, que nos últimos meses lançou uma contínua campanha de descrédito contra as urnas eletrónicas utilizadas nas eleições do Brasil desde 1996.

Na sua decisão, o juiz do STF considerou que foi "inequivocamente demonstrada no processo os fortes indícios de materialidade e autoria dos crimes de calúnia, difamação, injúria" alegadamente praticados por Jefferson.

Moraes lembrou que o político chegou a pedir o fecho do STF e a suspensão de todos os magistrados do tribunal para acabar com a independência do judiciário.

"A Constituição Federal não permite a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado de Direito, nem permite manifestações nas redes sociais visando a quebra do Estado de Direito", frisou Moraes.

Jefferson era aliado do Governo do ex-presidente Fernando Collor de Mello, que renunciou em 1992 quando era investigado por corrupção, e mais tarde esteve na base de apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 2005, Jefferson denunciou um escândalo de suborno parlamentar conhecido como Mensalão, do qual ele mesmo participou.

Por esta questão, o presidente do PTB foi condenado a sete anos de prisão, mas, após cumprir a pena, ingressou no Governo de Michel Temer e em 2018 promoveu sua filha Cristiane Brasil a ministra do Trabalho.

A nomeação, aprovada por Temer, foi anulada pelo STF porque Cristiane Brasil respondia perante a Justiça por corrupção e violação da legislação trabalhista em processos movidos por ex-funcionários.

Nos últimos anos, Jefferson tornou-se aliado de Jair Bolsonaro e passou a defender ideias de extrema-direita e temas também defendidos pelo Governo brasileiro como o aumento do acesso às armas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+