Tempo
|
A+ / A-

Reino Unido vai dar terceira dose da Pfizer aos maiores de 50 anos

02 ago, 2021 - 12:37 • Redação

O processo começa na primeira semana de setembro e o objetivo é dar 2,5 milhões de doses por semana.

A+ / A-

Veja também:


A Grã-Bretanha vai dar um reforço da vacina da Covid-19 a 32 milhões de cidadãos com mais de 50 anos, a partir do início do próximo mês. Espera-se que todas as pessoas nessa faixa etária, mais as clinicamente vulneráveis, recebam uma injeção de reforço antes do Natal.

O país tem neste momento 2.000 farmácias preparadas para pôr no terreno o programa de reforço da vacinação, que tem como objetivo responder aos temores de que a eficácia das vacinas possa começar a diminuir.

O plano do governo britânio é o de dar uma média de quase 2,5 milhões de terceiras doses por semana a partir da primeira semana de setembro.

Um total de 46,81 milhões de pessoas receberam a primeira dose de uma vacina contra o coronavírus até 30 de julho e 38,13 milhões de pessoas receberam uma segunda dose.
Há poucos dias, Israel tornou-se no primeiro país a oferecer uma terceira dose em larga escala. Naquele país, a terceira dose de reforço da vacina Pfizer é destinada a maiores de 60 anos, naquilo que as autoridades locais entendem como um esforço para manter a variante delta sob controle.

Em Portugal, o Infarmed exclui, por agora, a necessidade de uma terceira dose para reforçar o esquema vacinal contra a Covid-19.

Numa nota enviada às redações, no final de julho, a autoridade do medicamento clarifica que "a informação disponível até à data não permite concluir sobre a necessidade, e momento, de realização de reforço vacinal, prevendo-se, portanto, o esquema vacinal aprovado na Autorização de Introdução no Mercado atribuída pela Agência Europeia de Medicamentos".

Contudo, o regulador assegura que acompanha, em conjunto com a Direção-Geral da Saúde (DGS) “os dados técnico-científicos à medida que estes se encontram disponíveis, nomeadamente visando a ponderação, no Plano de Vacinação contra a Covid-19, da eventual necessidade de doses adicionais ao esquema aprovado para algumas populações mais vulneráveis".

Mas, pensando na eventualidade de vir a ser necessária uma terceira dose, o Infarmed assegura que Portugal tem "dois contratos estipulados, cujo volume de vacinas ultrapassa os 14 milhões, com os laboratórios BioNTech/Pfizer e Moderna".

Adicionalmente, para 2023, o país contratualizou com o consórcio BioNTech/Pfizer mais de 10 milhões de vacinas.

“A acrescentar aos referidos volumes, poderão ainda chegar a Portugal mais vacinas, no âmbito de futuros contratos, com algumas das vacinas ainda em avaliação" pela Agência Europeia do Medicamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    02 ago, 2021 RaM 21:07
    Muito bem. Porque apanharam duas doses da astrazeneca, uma vacina manhosa.

Destaques V+