Tempo
|
A+ / A-

Escócia. Ministro britânico admite referendo se houver "vontade consolidada" do povo

01 ago, 2021 - 15:33 • Lusa

Não foi especificado o que o Governo de Boris Johnson considera ser uma "vontade consolidada" do eleitorado escocês.

A+ / A-

O ministro britânico Michael Gove afirmou que outro referendo sobre a independência da Escócia poderia realizar-se, depois do de 2014, quando houver uma "vontade consolidada" da população desta nação histórica, numa entrevista publicada hoje no jornal escocês Sunday Mail.

"O princípio de que o povo escocês, nas circunstâncias certas, pode colocar novamente a questão (de saber se quer separar-se do Reino Unido) permanece", disse o ministro de Estado britânico.

"Eu simplesmente não acho que seja apropriado, e as pessoas também não acham que seja apropriado, fazer a pergunta agora", disse o político conservador de origem escocesa.

Questionado se o Governo de Londres, que tem de autorizar um hipotético referendo, tenciona opor-se-lhe indefinidamente - até agora rejeitou-o - Gove afirma: "Não, se existir claramente uma vontade consolidada a favor de um referendo, haverá um".

O ministro não especifica o que o Governo do primeiro-ministro Boris Johnson considera ser uma "vontade consolidada" do eleitorado escocês.

Em 2020, o apoio à independência escocesa foi avaliado em 58%, embora tenha diminuído já este ano.

Uma sondagem recente do The Sunday Times colocou esse apoio em 48%.

Nas eleições regionais de 06 de maio, o Partido Nacional Escocês (SNP) de Nicola Sturgeon ficou às portas da maioria absoluta, com 64 dos 65 lugares necessários (de um total de 129 no Parlamento de Edimburgo), mas conseguiu aliar-se aos sete deputados do Partido dos Verdes, também a favor da independência.

No plebiscito histórico de 2014, promovido pelo SNP e autorizado pelo Governo conservador britânico da altura, 55,3% contra 44,7% dos escoceses votaram por permanecer no Reino Unido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+