Tempo
|
A+ / A-

Moçambique

Cabo Delgado. Terroristas do Al-Shabab alvejaram civis dentro de casas em Palma

26 mar, 2021 - 23:31 • Lusa

Ataque à vila de Palma é o mais grave junto aos projetos de gás após três anos e meio de insurgência armada à qual a sede de distrito tinha até agora sido poupada.

A+ / A-

A organização Human Rights Watch (HRW) apelou esta sexta-feira ao Governo moçambicano para tomar "medidas urgentes" para proteger a população de Palma, na província de Cabo Delgado, alvejada nas suas residências e nas ruas por terroristas da Al-Shabab, que causaram um número indeterminado de mortes.

Com um número incalculado de pessoas em fuga desde quarta-feira da vila de Palma, norte de Moçambique, onde hoje se registam confrontos pelo terceiro dia, a HRW afirma em comunicado que "as autoridades moçambicanas devem agir rapidamente para proteger os civis e responsabilizar todos os responsáveis pelos abusos”.

"O Al-Shabab disparou contra civis nas suas casas e nas ruas de Palma, quando estes tentavam fugir para salvar as suas vidas", disse Dewa Mavhinga, diretor da Human Rights Watch para a África Austral.

O ataque é o mais grave junto aos projetos de gás após três anos e meio de insurgência armada à qual a sede de distrito tinha até agora sido poupada.

Segundo duas fontes que acompanham as operações, os disparos na vila e em redor continuavam ao fim da tarde desta sexta-feira entre forças moçambicanas e grupos rebeldes.

Corpos de adultos e crianças assassinadas são visíveis nas ruas de Palma, descreveu à Lusa um residente que, juntamente com outros, fugiu para Quitunda, quatro quilómetros a sudeste da vila, junto aos projetos de gás.

No comunicado desta sexta-feira, a HRW afirma ter contactado sete testemunhas dos ataques, que também relataram que são visíveis nas ruas cadáveres das vítimas dos ataques.

A ONG sublinha que os direitos humanos internacionais e o direito humanitário aplicável a Moçambique proíbem execuções sumárias, extrajudiciais ou arbitrárias, tortura e outros maus-tratos de pessoas sob custódia.

"As autoridades moçambicanas devem garantir que as forças de segurança destacadas para Palma respeitam os direitos humanos e o direito humanitário e tratam todos os que estão sob a sua custódia com humanidade", refere o comunicado.

Segundo Mavhinga, "os horríveis abusos de grupos armados representam uma ameaça para os civis em toda a região", disse.

"As autoridades de Moçambique devem fazer da restauração da segurança uma prioridade máxima na província de Cabo Delgado", adianta o responsável da HRW.

Residentes em fuga relataram à Lusa ter visto corpos abandonados de adultos e crianças assassinadas, duas agências bancárias destruídas, entre outros edifícios, infraestruturas e veículos.

Cinco pesados de transporte de inertes de uma pedreira estavam igualmente destruídos e os motoristas mortos.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

Algumas das incursões foram reivindicadas pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico entre junho de 2019 e novembro de 2020, mas a origem dos ataques continua sob debate.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+