Tempo
|
A+ / A-

OMS diz que desigualdade no acesso a vacinas contra Covid-19 é "grotesca"

22 mar, 2021 - 19:51 • Lusa

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde disse que países com elevada vacinação tinham "uma falsa segurança" devido à baixa vacinação de países mais pobres.

A+ / A-

Veja também:


O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou esta segunda-feira como grotesca a desigualdade entre países ricos e pobres no acesso às vacinas contra a Covid-19, que disse estar a aumentar.

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, a diferença entre o número de vacinas administradas nos países ricos e nos países pobres (nestes últimos através do mecanismo de distribuição universal e equitativa Covax) "cresce a cada dia".

"E cada dia é mais grotesca", afirmou, na videoconferência de imprensa regular sobre a pandemia, assinalando que "pouco foi feito" para evitar a "catástrofe moral" que vaticinou em janeiro para o mundo caso não fossem adotadas medidas que assegurassem a distribuição equitativa de vacinas.

"Temos os meios para prevenir esta catástrofe", sustentou, sublinhando que a distribuição desigual de vacinas contra a Covid-19, além de "um ultraje moral", compromete a economia e o combate epidemiológico.

"Alguns países estão a tentar vacinar toda a população enquanto outros não têm nada. Isto pode permitir [a esses países] uma certa segurança a curto prazo, mas na realidade é uma falsa segurança", sentenciou Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertando para o aumento da probabilidade da resistência das vacinas ao coronavírus SARS-CoV-2 se houver mais variantes a circularem.

"O vírus vai ganhar tempo para mudar, e talvez as vacinas não vão funcionar", advertiu, apelando ao aumento urgente da produção, distribuição e administração de vacinas para "derrotar o vírus".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+