Tempo
|
A+ / A-

Luxemburgo

Português condenado a prisão perpétua por assassinar ex-companheira

12 jan, 2021 - 09:57 • Redação

Decisão do tribunal foi conhecida esta terça-feira.

A+ / A-

A justiça luxemburguesa condenou a prisão perpétua o português Marco Silva pelo homicídio da antiga companheira, a também portuguesa Ana Catarina Lopes. A informação está a ser avançada pela imprensa do país, depois de conhecida a decisão do tribunal, proferida esta terça-feira.

Em novembro de 2020, a acusação pedia prisão perpétua para o suspeito.

Marco Silva está em prisão preventiva desde junho de 2017, acusado de assassinar Ana Lopes, de 25 anos, a 15 de janeiro desse mesmo ano.

O corpo foi encontrado carbonizado junto à fronteira do Luxemburgo com França.

Tudo começou com uma história de amor, que durou dois anos, da qual resultou um bebé. No entanto, a relação foi sempre tudo menos pacífica. As discussões eram recorrentes e os relatos de ameaças de Marco a Ana são anteriores ao desfecho fatal.

Após o seu desaparecimento, um saco de "fast-food" e vestígios de sangue foram encontrados perto da casa da família, em Bonnevoie, localidade do sul do ducado, o que leva as autoridades a acreditarem que a jovem terá sido ferida naquele lugar. As suspeitas são de que terá sido esfaqueada nas costas.

Devido ao historial do casal, a polícia desde cedo centrou a investigação em Marco Silva, um homem de 32 anos, natural de Seia.

A família de Ana comunicou isso mesmo às autoridades e suspeitou desde o início do ex-companheiro, que já a teria ameaçado várias vezes. A vítima, durante a relação, garante a TVI, já tinha apresentado várias queixas contra o ex-companheiro.

Marco, que trabalhava na oficina do pai, foi interrogado várias vezes pela polícia, mas negou sempre o envolvimento. A brigada de homicídios luxemburguesa deteve-o seis meses mais tarde, no mês de junho de 2017.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    12 jan, 2021 Funchal 16:14
    E bem.

Destaques V+