Tempo
|
A+ / A-

Conversações com militares no Sudão

20 abr, 2019 - 17:55 • Lusa

O Presidente Omar al-Bashir caiu em abril na sequência da contestação popular.

A+ / A-

Os líderes da contestação no Sudão terão conversações com dirigentes militares, que até agora se recusaram a transferir o poder para uma autoridade civil, disse à agência France Press um líder da Aliança para a Liberdade e Mudança.

Essas negociações serão realizadas um dia antes do anúncio, pelo movimento de contestação, da formação de um "conselho civil para os assuntos do país" para substituir o conselho militar de transição, no poder desde a queda, a 11 de abril, do presidente Omar al-Bashir, na sequência da contestação popular.

"O conselho militar terá conversações com a Aliança para a Liberdade e Mudança (ALC) no dia de hoje pelas 20 horas [locais] (19h em Lisboa]", disse hoje à agência France Press Siddiq Youssef, responsável da ALC que reúne vários partidos políticos e grupos da sociedade civil que lideram a contestação.

Um membro da associação de profissionais do Sudão (SPA), o grupo na linha da frente do protesto que decorre no Sudão desde 19 de dezembro, confirmou as negociações nas próximas horas.

"Cinco representantes da Aliança vão hoje reunir-se com o conselho militar para discutir a transferência do poder para uma autoridade civil", disse Ahmed al-Rabia à AFP.

Se os dirigentes militares se recusarem a entregar o poder, os líderes da contestação anunciarão no domingo um "conselho civil soberano", explicou.

"Se eles quiserem negociar, o anúncio marcado para amanhã poderá ser adiado", acrescentou Ahmed al-Rabia.

No dia 11, o ministro da Defesa do Sudão, Awad Ahmed Benawf, surgiu em uniforme militar na televisão pública sudanesa e anunciou a destituição de al-Bashir e a realização de "eleições livres e justas" após um período de transição de dois anos, durante o qual o país será governado por um conselho de transição militar.

Os militares decretaram estado de emergência para os próximos três meses, suspenderam a Constituição e fecharam as fronteiras e o espaço aéreo do país.

Omar al-Bashir foi destituído e detido pelas Forças Armadas, depois de mais de quatro meses de contestação popular.

Os protestos, inicialmente motivados pelo aumento dos preços do pão e de outros bens essenciais, acabaram por transformar-se num movimento contra Al-Bashir, que liderava o país desde 1989, quando chegou ao poder através de um golpe de Estado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+