Tempo
|
A+ / A-

CDS-PP

Já há um candidato ao lugar que Assunção Cristas deixa vago

06 out, 2019 - 22:59 • João Pedro Barros

Trata-se de Abel Matos Santos, porta-voz da Tendência Esperança em Movimento-CDS, que defende que o partido não pode "ter medo de afirmar" aquilo em que pensa.

A+ / A-

Abel Matos Santos, porta-voz da Tendência Esperança em Movimento-CDS (TEM-CDS), saudou este domingo a demissão de Assunção Cristas da presidência do partido, e vai candidatar-se à liderança no próximo congresso.

Em declarações à Renascença, Matos Santos defende que o CDS não pode "ter medo de afirmar" aquilo em que pensa, deixando um exemplo: "Quando houve aquela decisão do Ministério da Educação sobre a ideologia de género e as casas de banho na escola, o presidente da Juventude Popular teve uma posição clara, a presidente do partido não teve".

Para além disso, o porta-voz da TEM considerou o ex-líder Manuel Monteiro "um português com grandes capacidades" e admitiu mesmo que, se Monteiro fosse candidato à presidência do CDS, retirar-se-ia da corrida.

À Lusa, Matos Santos afirmou que será candidato porque este não é "tempo de estratégias ou táticas", mas de assumir as "responsabilidades" e vai apresentar uma moção e uma candidatura no congresso nacional, que será antecipado, por proposta da líder, Assunção Cristas.

"É preciso o partido assumir as suas ideias com clareza, assumir-se como partido de direita democrática e deixar o politicamente correto", disse.

Em comunicado, a TEM assinalou que o CDS "teve um mau resultado, um dos piores de sempre da sua história, e com isso o espaço socialista e de esquerda mantém a governação".

A tendência afirma ainda congratular-se "com a decisão da presidente do CDS de convocar um conselho nacional para a marcação do congresso", que espera realizar-se "no mais curto espaço de tempo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+