A+ / A-

PRR. Autoeuropa diz que tinha condições para se manter no consório Drivolution

16 jan, 2024 - 15:20 • Lusa

Empresas que participam em projetos com verbas do PRR têm que cumprir critério ambiental. Autoeuropa era o principal contribuinte para o projeto, com 68 milhões de euros.

A+ / A-

A Autoeuropa considerou esta terça-feira que os investimentos que tem previstos na área ambiental lhe deveriam permitir manter a liderança do consórcio Drivolution, financiado pelo PRR e que teve que abandonar por não cumprir um requisito ambiental.

"No entender da Volkswagen Autoeuropa, os esforços que empresa se propõe fazer, por via dos investimentos previstos, permitir-lhe-iam assinar a respetiva declaração de cumprimento do princípio DNSH e consequentemente manter a liderança do consórcio", sustenta a empresa numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

"Lamentamos que, à luz do atual sistema de medição de emissões, previsto para cumprimento do princípio do DNSH em vigor no país, a Volkswagen Autoeuropa não seja considerada entidade elegível no âmbito do PRR [Plano de Recuperação e Resiliência], o que na prática significa a saída da empresa do consórcio Drivolution", acrescenta.

O cumprimento do normativo ambiental do "Do No Significant Harm" (DNSH) é exigido a todas as empresas que participem em projetos viabilizados por verbas do PRR, como é o caso do Drivolution, um consórcio que junta cerca de 20 empresas e 20 organismos do sistema científico e tecnológico com vista à transformação industrial rumo à "fábrica do futuro".

O jornal Público avança, esta terça-feira, que a Autoeuropa se viu obrigada a sair do consórcio, que liderava, e será substituída por outra empresa do ramo automóvel, que já faz parte do consórcio e assumirá a liderança.

Este consórcio pretendia investir cerca de 168 milhões de euros, dos quais 145 milhões provenientes das empresas, sendo a Autoeuropa o principal contribuinte, com 68 milhões de euros, mas o uso de gás natural na pintura do modelo T-Roc terá obrigado a fábrica de Palmela a desistir do projeto.

Na resposta enviada à Lusa, a Volkswagen Autoeuropa destaca estar a realizar "um conjunto de investimentos na área ambiental que reduzirão as suas emissões de dióxido de carbono (CO2) em cerca de 85% entre 2021 e 2027".

Segundo salienta, "estes investimentos, assim como os que estão previstos para o futuro próximo, comprovam que a preservação do ambiente é um objetivo central na estratégia de negócio da Volkswagen Autoeuropa".

Entre estes, a empresa nomeia a eletrificação de equipamentos de caldeiras e incineradores, que apresenta como uma "medida de excelência prevista na política Europeia e Nacional para a descarbonização".

Apesar da sua saída do Drivolution, a Autoeuropa enfatiza que o consórcio pretende apresentar proposta de manutenção e viabilização do projeto, numa "iniciativa que a Volkswagen Autoeuropa apoiará, atendendo, designadamente, à participação de entidades do universo académico e do setor empresarial português em projetos de desenvolvimento tecnológico sustentável, aportando fatores para os quais a Volkswagen Autoeuropa sempre se empenhou em contribuir".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+