Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Estudo

Emprego precário aumenta para 17,8%

07 set, 2023 - 21:29 • Sandra Afonso

Estudo conclui que “42% dos desempregados não têm ensino médio ou superior, o que dificulta a saída do desemprego, tornando-se um obstáculo”.

A+ / A-

O emprego com contrato a termo ou recibos verdes, os chamados precários, aumentou para quase 18%, indicam números apresentados pela Randstad, num estudo que conta com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), do Instituto do Emprego e Formação Profissional, do Ministério do Trabalho, do Banco de Portugal e do Eurostat.

A taxa de emprego temporário aumentou 1,6 pontos percentuais no último ano, para 17,8%.

No total, há 4,25 milhões a trabalhar por conta de outrem, dos quais 82,2% têm contrato sem termo, 6,7% trabalham a tempo parcial.

Por antiguidade, 1,35 milhões dos trabalhadores mantêm o mesmo emprego há mais de 20 anos, ou seja, mais de 27% do total dos trabalhadores. Este é o valor mais baixo dos últimos dois anos.

No final do segundo trimestre havia menos 1.100 pessoas na população ativa, que passou a contar com 5,3 milhões. Destas, 32,1% têm o ensino superior e apresentam a taxa de atividade mais alta, de 84,5%, em comparação com as pessoas com ensino secundário e pós-secundário.

A taxa de atividade cresceu em todas as faixas etárias, à exceção dos 45 a 54 anos e a partir dos 65 anos. A maior taxa é a da população entre os 35 e os 44 anos.

A população desempregada diminuiu para 324 mil pessoas, são menos 55.800 desempregados. Quase metade (46,7%) está à procura de emprego há mais de um ano.


42% dos desempregados sem ensino médio ou superior

Este estudo conclui que “42% dos desempregados não têm ensino médio ou superior, o que dificulta a saída do desemprego, tornando-se um obstáculo”.

Enquanto 32,8% dos profissionais têm o ensino superior completo e uma taxa de emprego acima de 81%, a taxa de emprego dos trabalhadores com estudos secundários e pós-secundários (31,6%) está quase 12 pontos abaixo.

Mais de 18% dos trabalhadores têm apenas o ensino básico.

Lisboa com maior taxa de desemprego e Norte mais desempregados

As regiões Centro e Algarve registam a taxa de desemprego mais baixa, enquanto que Lisboa tem a taxa mais alta e o Norte mais desempregados.

Por outro lado, o Norte é também a região com mais pessoas no ativo, 1,86 milhões, seguido da Área Metropolitana de Lisboa, com 1,45 milhões.

O Alentejo é a região com a taxa de emprego mais baixa (55,4%) e o Algarve a taxa mais alta (59,5%).

Já o Centro (4,9%) e o Algarve (5,0%) são as regiões com menor taxa de desemprego. Lisboa tem a taxa mais alta (7,0%), com 102,0 mil desempregados, mas o Norte apresenta mais desempregados

(118,9 mil).

O estudo indica que a taxa de desemprego fixou-se em 6,1% e diminuiu 1,1 pontos percentuais, tanto para homens como para mulheres. Atualmente a diferença entre cada um dos grupos é de seis décimas de ponto percentual.

Mais de metade dos trabalhadores acima dos 44 anos

A maior taxa de emprego situa-se na faixa etária entre os 35 e os 44 anos (89,1%).

No entanto, mais de metade dos trabalhadores (51%) tem mais de 44 anos. Um quarto de todos os profissionais tem menos de 35 anos e 23,8% tem mais de 55 anos.

Relativamente ao género, é possível perceber que 50,1% da população ativa são homens e 49,9% são mulheres.

Apesar da taxa de desemprego jovem estar a diminuir (menos 2,4 pontos no 2º trimestre), caiu para 17,2%, é quase o triplo da taxa média de desemprego total do país (6,1%)

Indústria transformadora e comércio os maiores empregadores

Por profissão, especialistas das atividades intelectuais e científicas reúnem o maior número de trabalhadores, 1,12 milhões ou 22,5% de todos os empregados do país. Seguem-se os trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores (933 mil) e os trabalhadores qualificados da indústria, construção e artificies (641 mil).

No entanto, por atividade económica, a indústria transformadora gera 16,5% do emprego do país. O comércio é a segunda atividade com mais profissionais, 14,0%.

Nos serviços, os setores da educação e da saúde empregam 18,3% do total de profissionais.

O emprego nas administrações públicas aumentou, em 4.580 pessoas, e alcançou os 747.707 profissionais. O maior grupo neste setor é o de assistente operacional/operário auxiliar, com 168.778 profissionais, o que equivale a 22,6% do emprego público. Na área da saúde e educação, atuam 37,3% de pessoas das administrações públicas.

Os dados apresentados mostram ainda que 75% dos desempregados registados vêm do setor dos serviços, principalmente de atividades imobiliárias, administrativas e de apoio, com 80.362 pessoas desempregadas em julho de 2023.

O número de pessoas em teletrabalho aumentou em 23 mil neste segundo trimestre do ano, alcançando as 960 mil pessoas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+