Tempo
|
A+ / A-

Ministro acredita que paragem da Autoeuropa vai durar menos do que o anunciado

06 set, 2023 - 13:30 • Lusa

António Costa Silva adianta que vai reunir-se nos próximos dias com as associações da indústria de componentes e com a administração da Autoeuropa.

A+ / A-

O ministro da Economia disse esta quarta-feira acreditar que a paragem da Autoeuropa vai ser menor do que a anunciada, destacando que o Governo está a trabalhar para minimizar o impacto da paragem no país e nas 30 empresas satélites.

“Tenho a crença que a paragem vai ser menor do que a que está anunciada e temos de trabalhar todos para minimizar esse risco e minimizar o impacto para o país, sobretudo em termos das nossas exportações”, afirmou o ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva.

À margem da sessão de apresentação dos Bairros Comerciais Digitais, no Porto, o ministro adiantou que o Governo está a “fazer tudo” para minimizar o tempo de paragem da fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela, no distrito de Setúbal, que terá lugar de 11 de setembro a 12 de novembro.

Aos jornalistas, António Costa Silva adiantou que vai reunir-se nos próximos dias com as associações da indústria de componentes e com a administração da Autoeuropa.

“Vamos tentar encontrar soluções e, pelo menos, minimizar os problemas para o futuro”, referiu, dizendo que o Governo está, juntamente com a administração da Autoeuropa, a perceber que componentes estão em falta.

“Hoje não podemos ter cadeias de abastecimento que repousam só num fornecedor e nós temos uma indústria versátil e que produz muitos componentes. Pode ser que aumentemos a resiliência”, considerou.

Questionado sobre o impacto que a paragem na Autoeuropa teria nas empresas que dela dependem, António Costa Silva adiantou que foram já mapeadas 30 empresas satélites e que dessas, 18 dependem da fábrica de automóveis em menos de 25%.

“Vamos dividir em dois grupos e vamos trabalhar com cada um dos setores para também minimizar os impactos nas empresas que mais dependem da Autoeuropa. É todo esse trabalho que estamos a fazer”, adiantou.

A empresa revelou na quinta-feira da semana passada que iria haver uma paragem de produção de nove semanas, de 11 de setembro a 12 de novembro, devido às dificuldades de um fornecedor da Eslovénia “severamente afetado” pelas cheias que ocorreram no início do mês de agosto naquele país.

A administração da fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela anunciou também a intenção de recorrer ao `lay-off´ durante a paragem de produção, tendo chegado a um acordo com a Comissão de Trabalhadores sobre as remunerações a pagar nesse período de aplicação do `lay-off´.

De acordo com a empresa, “com o objetivo de minimizar o impacto na remuneração mensal dos colaboradores afetados pelo 'lay-off', foram acordados hoje, entre a administração e a comissão de trabalhadores os seguintes termos: complemento da contribuição retributiva legal a 80% da remuneração base, incluindo subsídio de turno”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+