Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Santa Casa perde cerca de 33 milhões com quebra de receitas do jogo

19 ago, 2023 - 10:15 • Redação

Segundo o Jornal de Notícias, os dados apontam para quebras na distribuição entre o primeiro semestre de 2018 e o de 2023 é de cerca de 33 milhões de euros.

A+ / A-

A Santa Casa está a perder dinheiro da receita dos jogos sociais, se a comparação for feita com o período pré-pandemia. Nos primeiros seis meses do ano, aquele organismo transferiu 105,6 milhões de euros para o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, menos 1,5 milhões de euros do que no ano passado, mas a redução chega aos 8,4 milhões de euros se compararmos com o primeiro semestre de 2019, último ano sem covid-19.

O Jornal de Notícias que publica neste sábado os dados, realça ainda que com base no montante injetado na Segurança Social oriundo de jogos como as raspadinhas, é possível estimar uma quebra de receitas líquidas dos jogos esteja a rondar os 33 milhões de euros.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social é o maior beneficiário das transferências dos jogos sociais da Santa Casa, seguindo-se a própria Santa Casa. O Ministério da Saúde e o Ministério da Educação são também organismos que recebem parcelas relevantes dos montantes faturados com os jogos de sorte e azar.

Recorde-se, no entanto, que os relatórios de contas de 2021 e 2022 estão ainda por aprovar pelo ministério de Ana Mendes Godinho, que pediu que os mesmos fossem reavaliados.

Esta semana, através de carta, a provedora Ana Jorge já avisou várias federações desportivas para a necessidade de rever o plano de patrocínios, a menos de um ano dos Jogos Olímpicos Paris 2024, de acordo com informação avançada pela agência Lusa.

A justificação para este corte prende-se com “a conjuntura económico-social que se vive” que conferiu “novas exigências sociais e financeiras à SCML no que diz respeito ao apoio das populações mais vulneráveis”.

A SCML avisou várias federações desportivas da necessidade de rever o plano de patrocínios, a menos de um ano dos Jogos Olímpicos Paris 2024.

As federações desportivas foram avisadas através de cartas assinadas pela provedora Ana Jorge, que assumiu funções na SCML em 2 de maio último.

A tendência de quebra das receitas da SCML começou com a pandemia, devido às restrições de circulação. Jogos com a raspadinha vivem muito da ida das pessoas aos postos de venda. O aumento dos pedidos de apoios sociais são outra das razões para o desiquilibrio nas contas da instituição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    19 ago, 2023 Porto 10:11
    Pode ser verdade mas pelo que observo no caso das raspadinhas não acredito.

Destaques V+