A+ / A-

Mercado automóvel sobe 43% em janeiro, mas fica abaixo de 2019

01 fev, 2023 - 19:27 • Lusa

Mercado automóvel português caminha para a “normalização”, diz a Associação Automóvel de Portugal.

A+ / A-

O mercado automóvel em Portugal cresceu 43% em janeiro com 17.455 veículos comercializados, devido à tendência de normalização das cadeias de abastecimento, mas cedeu 9,5% face a janeiro de 2019, segundo dados da ACAP, a Associação Automóvel de Portugal.

"Em termos globais, em janeiro de 2023, o mercado automóvel registou um crescimento de 43% face ao mês homólogo do ano anterior, o que decorre essencialmente da tendência para a normalização das cadeias de abastecimento, nomeadamente, da produção de semicondutores, e da carteira de encomendas de clientes, que se encontrava por satisfazer", indicou, em comunicado, a associação.

Em janeiro foram assim matriculados 17.455 veículos, 9,5% abaixo do número registado em 2019.

Por segmento, em janeiro foram matriculados 14.639 automóveis ligeiros de passageiros novos, menos 7,3% do que em 2019, mas, em comparação com o mesmo mês de 2022, progrediu 48,4%.

"Em janeiro de 2023, 47,8% dos veículos ligeiros de passageiros matriculados novos eram movidos a outros tipos de energia, nomeadamente elétricos e híbridos. Em particular, verifica-se que 15,4% nos veículos ligeiros de passageiros eram elétricos", detalhou a ACAP.

Por sua vez, o mercado de ligeiros de mercadorias cedeu 25,4%, em comparação com janeiro de 2019, para 2.186 unidades matriculadas, e aumentou 15,3% face ao mesmo mês de 2022.

Já no que se refere aos veículos pesados de passageiros e mercadorias, verificou-se um ganho de 9,4% face a janeiro de 2019, com 630 veículos comercializados.

Em comparação com janeiro de 2022, este mercado totalizou mais 41,9%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+