Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Menos 45% de empresas fizeram despedimentos coletivos até junho

09 ago, 2021 - 19:19 • Lusa

Também o número de trabalhadores a despedir caiu 44% de janeiro a junho, em comparação com 2020.

A+ / A-

O número de empresas que iniciaram processos de despedimento coletivo no primeiro semestre do ano foi de 202, uma queda de 45% face ao mesmo período de 2020, segundo dados oficiais divulgados esta segunda-feira.

Também o número de trabalhadores a despedir caiu 44% de janeiro a junho, em termos homólogos, para 2.551, mostram os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT).

No primeiro semestre de 2021 registou-se também, face ao semestre anterior, uma redução de 39% do número de despedimentos coletivos comunicados pelas empresas e uma descida de 36% no número de trabalhadores a despedir.

Entre janeiro e junho, das 202 empresas que iniciaram despedimentos coletivos, 81 eram pequenas empresas, 72 microempresas, 33 médias empresas e 16 grandes empresas.

Quanto ao número de trabalhadores a despedir, as médias empresas comunicaram 845 pessoas, as grandes empresas 736, enquanto as pequenas empresas 698 e as microempresas 272 pessoas.

Do total de empresas com processos de despedimento coletivo comunicados até junho, 129 são da região de Lisboa e Vale do Tejo, 50 da região Norte, 18 do Centro, três do Algarve e duas do Alentejo.

A DGERT informa ainda que de janeiro a junho 210 empresas concluíram os seus processos de despedimento coletivo e foram despedidos 2.108 trabalhadores.

Já considerando apenas o mês de junho, 27 empresas concluíram os processos de despedimento e foram despedidos 426 trabalhadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+