Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Greve na Groundforce. Confederação do Turismo pede intervenção do Governo

19 jul, 2021 - 12:37 • Redação

"O que se registou este fim de semana nos aeroportos nacionais foi dramático, com mais de 600 voos cancelados", diz Francisco Calheiros.

A+ / A-

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) pede a intervenção do Governo para acabar com a greve dos trabalhadores da Groundforce, que levou ao cancelamento de centenas de no fim de semana, prejudicando "milhares de pessoas".

A CTP apela a um entendimento entre o Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos e a TAP "no sentido encontrarem uma solução que evite uma nova paralisação nos próximos dias 31 de julho, 1 e 2 de agosto", refere, em comunicado.

"O que se registou este fim de semana nos aeroportos nacionais foi dramático, com mais de 600 voos cancelados, e não podemos correr o risco de este cenário se repetir daqui a 15 dias", considera o presidente da CTP, Francisco Calheiros.

"Existindo um impasse no diálogo entre os trabalhadores da Groundforce e a TAP, é urgente a intervenção do Governo para que se chegue rapidamente a um acordo e, assim, evitar mais três dias de paralisação", defende o responsável.

Afirmando respeitar o direito à greve, "que está constitucionalmente previsto", este "não pode implicar o prejuízo para milhares de pessoas, para o turismo e para a economia nacional", sublinha Francisco Calheiros.

Os primeiros dois dias de greve "prejudicaram seriamente a imagem de Portugal no exterior, numa fase em que já nos encontramos severamente punidos pela pandemia" e "esta greve, marcada para o verão, só vem contribuir para asfixiar ainda mais o turismo e a economia de um país a tentar recuperar de um ano e meio de pandemia", conclui o responsável.

A paralisação vai prolongar-se ainda pelos dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto.

Além desta greve contra o pagamento de salários e outras remunerações em atraso, desde o dia 15 de julho que os trabalhadores da Groundforce estão também a cumprir uma greve às horas extraordinárias, que se prolonga até às 24:00 do dia 31 de outubro de 2021.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português.

A TAP garantiu no sábado que não tem quaisquer pagamentos em atraso à Groundforce, depois de a empresa de 'handling' ter acusado a companhia aérea de ter uma dívida de 12 milhões de euros por serviços já prestados.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Democratas caseiros
    19 jul, 2021 Cá 13:26
    Curioso como, quando confrontados com uma greve que não seja de inofensivas marchas pela avenida, ou greves de 1 dia encostadas ao fim-de-semana só para os dirigentes sindicais há 20 anos no lugar, darem prova de vida e aparecerem na TV, quando confrontados com uma greve a sério e que não é inofensiva, começam logo a falar nos "danos" dessa greve, a pedir "requisições civis" e quejandos, a apelar ao fim à força da greve, embora - claro! - todos afirmem que a greve é um direito constitucional que deve ser respeitado. É um direito constitucional enquanto é inofensiva e não faz mossa, não é Confederação do Turismo? Quando o não é e faz estragos, aí muda a música e começa a ouvir-se entre dentes, deviam "arrastar os tipos de casa e obrigá-los a trabalhar com espingardas apontadas", não é oh democratas de trazer por casa?

Destaques V+